Coluna Roraima Alerta

03 de agosto de 2018


A situação se agravou no fim de semana - Arquivo/Roraima em Tempo

APAGÕES

Os roraimenses tiveram dias de uma inconstância mais veemente do que nunca no fornecimento de energia elétrica. A situação se agravou no fim de semana, quando houve várias interrupções que duraram longos minutos, deixando todos com uma pulga atrás da orelha quanto ao que de fato tem acontecido.

APAGÕES II

Os "miniapagões", embora tenham sido "justificados" pela Eletrobras, aconteceram no rastro das ameaças da empresa venezuelana Corpoelec, que fornece energia para o Estado, de suspender o serviço caso a Eletronorte não lhe pague uma dívida de 30 milhões de dólares.

APAGÕES III

A Eletronorte não nega a dívida, mas diz que ela não resulta da falta de dinheiro em caixa, e sim de "dificuldades operacionais" para transferir mensalmente os quatro milhões de dólares pagos pelo fornecimento de energia para Roraima. Tudo devido a uma série de restrições impostas pelo governo dos Estados Unidos contra a Venezuela, seu presidente Nicolás Maduro, e altos funcionários do governo venezuelano.

TUDO PELO PODER

Assim como faz com o dinheiro proveniente do petróleo, não é de mais imaginar que Maduro e sua turma se aproveitem de todos os recursos estrangeiros, por meio de empresas, principalmente estatais, para alimentar o sonho de se manter ad aeternum no poder. E, certamente, a roubalheira envolve a Corpoelec. Não satisfeito em levar à desgraça o próprio povo, o ditador de meia tigela estende seus despropósitos além das fronteiras e atinge outros povos.

FUTURO INCERTO

Mesmo o Ministério de Minas e Energia tentando "minimizar" o potencial prejuízo para a população, caso o fornecimento da Venezuela seja temporariamente  suspenso, é inegável a apreensão da população diante de tanta insegurança energética e da possibilidade cada vez mais iminente de que as coisas piorem.

FUTURO INCERTO I

 De acordo com a Pasta, as termelétricas seriam capazes de suprimir a demanda, mas o ministério não explica se o consumidor vai ter condições de arcar com os custos pelo uso delas. É a corda quebrando do lado mais fraco, como de costume.

TEMPO DE TREVAS

E na carona da falta de energia elétrica, o povo sofre também com a interrupção do fornecimento de água. Praticamente toda a cidade de Boa Vista foi afetada no fim de semana com a falta do líquido precioso. E todo o "infortúnio" aliado a um calor de mais de 30º C. Sem água, sem energia e de mãos atadas. Sem dúvida, um quadro de atraso que, definitivamente, não condiz com os avanços trazidos à Humanidade em pleno Século XXI. 

VEJA TAMBÉM...