Coluna Roraima Alerta

18 de setembro de 2018


Telmário Mota xinga juiz em gravação de vídeos - Reprodução

'JUIZ DE MERDA'?

O senador licenciado Telmário Mota (PTB) não se cansa de publicar vídeos que demonstram cada vez mais seus destempero, despreparo e, no mínimo, falta de inteligência, além de causar vergonha alheia àqueles que assistem a seus impropérios. Numa gravação feita ontem, ele só não chamou de santo o juiz eleitoral Rarisson Tataíra que teria suspendido a veiculação (ou vinculação, como quer o petebista) de uma propaganda de televisão, tendo exibido em seu lugar um direito de resposta do senador Romero Jucá (MDB). Bastante descontrolado, Telmário, certamente se baseando na imunidade parlamentar, não hesita em atacar Tataíra de forma violenta, classificando-o como "juiz de merda".

SABICHÃO

O destemperado Telmário destacou que não poderia haver direito de resposta porque o programa que teria originado a contestação na Justiça Eleitoral não foi ao ar devido a uma queda de energia no horário em que deveria ser veiculado (vinculado, segundo o senador licenciado). Soltando fogo pelas ventas, ele chamou Rarisson Tataíra de incompetente por, supostamente, tomar tal decisão, e ressaltou ser contra a indicação de advogados para serem juízes, justificando o fato de Tataíra não ser concursado. É preciso que a Justiça Eleitoral, afrontada por meio de um de seus integrantes, repudie veementemente a atitude do candidato e tome as providências necessárias.  

VERGONHA!

Metido a bonzão e sabedor de todas as coisas, Telmário certamente desconhece o "quinto constitucional", previsto no artigo 94 da Constituição Brasileira de 1988 (esta, desprezada por ele). O dispositivo jurídico determina que um quinto das vagas de determinados tribunais deve ser preenchido por advogados e membros do Ministério Público, seja ele Federal, do Trabalho ou do próprio Estado, e não por juízes de carreira. Com a ignorância que lhe é peculiar, o petebista sai a vociferar contra toda uma categoria, provando, mais uma vez, por A mais B, que nunca esteve à altura do cargo que ocupa em Brasília. É uma verdadeira vergonha!

CASO PERDIDO

A Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Roraima, divulgou uma nota de repúdio contra as declarações do destemperado Telmário, se dizendo "perplexa" com um vídeo produzido por um representante do Estado no Senado, em que usa "vernáculo totalmente incompatível com o cargo que exerce, vociferando ódio e desrespeitando toda a classe". Não é de hoje que o comportamento do petebista é digno de reprovação total, seja pelas mentiras que compartilha, seja pelo palavreado não usado nem pelo pior dos marginais. Com certeza, ele não esteve e nunca estará à altura do cargo que ocupa, pois é difícil bode velho mudar para melhor quando chega a uma determinada idade. Trata-se de um caso perdido!

RECADO

"Decisões judiciais que contrariem interesses devem ser combatidas com  a interposição de recursos existentes, sendo inaceitável agir de forma truculenta e desrespeitosa, atitudes que vão de encontro com o dever de civilidade imposto  a todos, em especial aos representantes do povo". Este é outro trecho da nota de repúdio da OAB-RR e um recado para trogloditas que se valem de ameaças, gritos e violência para tentar ganhar na marra o que não têm competência para ganhar no debate ou nas interposições de recursos junto à Justiça.

SE FAZENDO DE VÍTIMA

Após muita polêmica, Telmário resolveu apagar o vídeo em que xingava o juiz, embora tenha sido tarde. Em tempos de redes sociais, tudo se espalha mais rápido do que se imagina e não adianta apagar o que se publicou, pois os compartilhamentos são feitos instantaneamente. Será que nem isso o petebista é capaz de perceber? Ou será culpa de quem o orienta e assessora? Numa segunda gravação, o senador licenciado aparece tentando mostrar calma, mas volta a falar asneiras dizendo que as instituições públicas de Roraima estão "corrompidas e sujas com a corrupção". Apesar de não usar palavrões e tentar se fazer de vítima, o destemperado não deixa de questionar a decisão do juiz, a quem chama de "autoritário e com cor partidária".

VEJA TAMBÉM...