Coluna Roraima Alerta

Governador é pego de supresa sobre viagem de servidor da CAER

040619 RR Alerta


Concursos

O governador Antonio Denarium (PSL) dedicou parte de sua agenda nesta segunda-feira (3), para conceder entrevistas aos veículos de comunicação. No programa Rádio Verdade, da 93 FM, o gestor permaneceu por mais de uma hora, trazendo informações sobre o trabalho realizado por sua gestão e também respondendo às perguntas enviadas pelo público. Durante a conversa, Denarium garantiu que está adotando as medidas necessárias para ajustar as finanças públicas, dar continuidade ao concurso da Polícia Militar e falou ainda sobre a necessidade de realizar concurso público para agentes penitenciários e para a Polícia Civil. Tudo depende de como o Estado estará organizado financeiramente para cumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal.

 

Otimismo

O que chama atenção na fala do governador é que mesmo diante de tantos problemas vivenciados pela população e os próprios que foram relatados por ele na entrevista, Denarium segue sustentando o ar de otimismo que alias, escolheu para ser o slogan do seu governo 'cada dia melhor'. Na verdade, existe uma distância muito grande entre o discurso e a prática. O governador deixou evidente o seu desejo de transformar Roraima, mas sabe também que tem enfrentado grandes dificuldades para concretizar seu plano de trabalho. Algumas dessas dificuldades criadas até pelos seus apoiadores mais diretos que seguem disputando posições de poder.

 

Pressão

É de conhecimento público que a Reforma Administrativa do Governo ainda não saiu por pressão dos aliados de Denarium. Os cargos de primeiro e segundo escalão, em sua maioria, são ocupados por pessoas próximas a ele, que de alguma forma contribuíram para sua eleição. Mas, até internamente há conflito de interesses e discordâncias sobre quem tem mais influencia junto ao governador. Mesmo consciente de que a Reforma é necessária e um meio eficaz para a redução de despesas, Denarium ainda não colocou a medida em prática para não desagradar alguns dos seus aliados que perderiam o comando de pastas e até seus cargos comissionados.

 

Genro

Um exemplo de quem aproveita muito bem a estrutura de governo para fazer suas acomodações é o do senador Mecias de Jesus (PRB). Depois das eleições, ele garantiu o domínio político da Seplan, CAER, CERR e Codesaima. Mas, é na CAERR onde ocorrem as situações mais absurdas. Dois genros de Mecias ocupam cargos com valores de até R$ 20 mil. Um deles é dentista e dono de quatro postos de gasolina no interior do Estado. O outro, é o Procurador da Caer, André Noleto e, com menos de seis meses de sua nomeação, saiu para curtir férias pela Europa. Nos Diários Oficiais do Estado não consta nenhuma publicação autorizando férias, licença ou mesmo a viagem do servidor.

 

PAD

Perguntado ao vivo sobre o caso, Denarium foi categórico ao afirmar que não compactua com nenhum servidor que esteja recebendo sem trabalhar. Afirmou que vai solicitar a abertura de um PAD (Processo Administrativo) para apurar a situação e, se constatada alguma irregularidade, vai descontar do salário de André, os dias não trabalhado. O governador demostrou ainda muita irritação ao tomar conhecimento da situação, ele tinha acabado de falar da situação de alguns médicos que estavam cobrando plantões sem comparecer e pediu que a população denunciasse qualquer irregularidade. Faltou dizer pra ele que André Noleto é genro de Mecias de Jesus.

 

Desvios

Outro fato que chamou muito atenção na entrevista foram as afirmações feitas pelo gestor sobre os desvios de recursos públicos praticados na gestão de Suely Campos. Segundo Denarium, sua equipe constatou o uso indevido de parte do dinheiro que deveria ser aplicado na recuperação das estradas vicinais, além da obra de ampliação do Hospital Geral de Roraima, essa ainda com muito mais problemas. O que o governador relatou são denúncias gravíssimas onde caberia a responsabilização dos entes públicos envolvidos nesses desvios. Mas, parece que os órgãos de fiscalização dos Estado preferem fazer vista grossa sobre esses casos e no fim, quem mais sofre é a população.

 

Sistema prisional

A CPI do Sistema Prisional deve complicar a vida de algumas pessoas. O Portal RR Em Tempo obteve informações de que pelo menos três pessoas foram indiciadas pela Polícia Federal devido as investigações. A decisão ainda não é pública porém, a ação da PF comprova a existência de um grande esquema de corrupção mantido durante a gestão da ex-governadora Suely Campos que trouxe resultado desastrosos, incluindo a onda de criminalidade e o maior massacre de presos da história de Roraima. Lamentável é que mesmo com todas essas informações tornadas públicas através do relatório feito pelo deputado Jorge Everton, nenhuma medida tenha sido adotada. Ou seja, a roubalheira se perpetuou por muito mais tempo. É aguardar para que a justiça puna os envolvidos.

 

Repactuação

A Assembleia Legislativa adiou mais uma vez, a análise do pedido de repactuação das dívidas feito pelo Governo do Estado. Ao que tundo indica, o tema polêmico será tratado hoje e existe uma forte pressão para que seja feito em sessão aberta. O único deputado estadual que segue se manifestando sobre o assunto é Jorge Everton (MDB), ele reforçou a preocupação com os impactos negativos que essa medida pode trazer para os servidores estaduais. Nenhum dos outros deputados comentou o assunto e, ainda não é possível prever o resultado dessa discussão.

 

Arrecadação

Denarium defende a necessidade da repactuação porque hoje a arrecadação do Estado não é suficiente para honrar as despesas impositivas e discricionárias. Mas, assinou um decreto em que reduziu a alíquota do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de 17% para 3% aplicada nas operações internas com querosene de aviação. Isso é abrir mão da arrecadação e contraria a justificativa apresentada pelo próprio governador. Além disso, a arrecadação do Estado aumentou, o último dado divulgado pela Sefaz mostra que houve aumento de arrecadação e a maior parte se deve ao combustível consumido pelas termoelétricas. Só em abril deste ano, o governo arrecadou R$ 20 milhões com o ICSM aplicado sobre o diesel que mantém as térmicas funcionando, uma informação que poderá ser usada pelos deputados para ir contra ao pedido. A novela continua.


SEE ALSO ...