Coluna Roraima Alerta

Mecias relata MP para ajudar venezuelanos

040519 RR Alerta


 

Vergonha

Depois de dizer que não ia mais se meter com a questão da Venezuela, o senador Telmário Mota (PROS) divulgou um vídeo onde diz que conseguiu a liberação para a passagem de caminhões com mercadorias e insumos agrícolas para o lado brasileiro. É fato que esse foi um pleito que ele discutiu inclusive com o ditador venezuelano Nicolás Maduro, mas dizer que ele foi o responsável pela travessia dos caminhões é muito. Inclusive, basta olhar onde Telmário está quando faz o anúncio. Em plena quinta-feira (2), o senador mostrou que estava na sua fazenda, organizando um bananal. Mas não era para ele estar trabalhando pelo povo de Roraima? Tire suas próprias conclusões.

 

Mais gente

E o discurso defendido por Telmário para reabertura da fronteira foi criticado por vários especialistas porque criaria um novo e intenso fluxo migratório para o Brasil. É isso que está acontecendo depois que os conflitos armados se acentuaram no país vizinho. Nos últimos dias, o número de venezuelanos pedido refúgio ou permanência provisória no Brasil quase que triplicou em relação aos dias anteriores. A população está fugindo do caos, com medo do conflito que tende a se acentuar nos próximos dias. Lamentável é que o plano do autoproclamado Juan Guaidó não deu certo. A ideia inicial era mostrar o apoio do Exército e convencer Maduro a se exilar na Cuba ou em outro país que ainda reconhece sua autoridade. Mas, segundo os Estados Unidos divulgou, autoridades russas conseguiram convencer Maduro a permanecer no país.

 

Convite

E depois que Telmário fez o vídeo com a enxada na mão, na sua fazenda, muitos internautas começaram a fazer chacota com o parlamentar. Primeiro, o questionamento de que ele deveria estar trabalhando pelos brasileiros, inclusive, para honrar o salario que recebe no Senado Federal. E segundo, muita gente pediu para que Telmário convidasse Maduro a se exilar em sua fazenda. Como os dois demonstraram tanta proximidade, seria a solução para o Brasil e para a Venezuela que Maduro desistisse de gerir o país e procurasse um quintal para capinar. O senador roraimense com certeza, acolheria muito bem o amigo ditador. Ou ele, ou a outra amiga de Maduro que vive em Roraima, Suely Campos.

 

Constrangido

Assim que ficou o senador Mecias de Jesus (PRB) depois que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) publicou, no Diário Oficial da União, a Medida Provisória que destina R$ 223,8 milhões para a manutenção da Operação Acolhida. E tem explicação. O senador roraimense foi designado para relatar a Medida Provisória 857/2018 que previa a destinação de R$ 75 milhões para os refugiados venezuelanos. Mecias, que já estava fazendo propaganda com a relatoria da MP por que seria sua primeira atuação parlamentar efetiva para Roraima, rodou. Ficou muito chateado e colocou o filho Jhonatan de Jesus (PRB) para tecer críticas contra o presidente. Ele mesmo aproveitou seu tempo em uma Comissão para reclamar da falta de atenção ao Estado. Falou o que o eleitor gostaria de ouvir, mas esqueceu que se o Estado está atolado em dívidas, com problemas graves na saúde, na segurança e na educação, não é culpa dos venezuelanos e sim do desastre da gestão anterior feita por Suely Campos, que aliás, Mecias apoio por três anos e meio. Como deputado estadual, ele nunca cobrou nada e nunca reclamou de nada. Mudar apenas o discurso não vai resolver.

 

 

Pra ajudar venezuelanos

Em Roraima, Mecias tentou alterar o enfoque da MP dizendo que os recursos eram pra conter a crise migratória, mas basta ler a descrição do projeto, onde está bem destacado que a proposta é atender aos refugiados venezuelanos, para saber que os recursos são sim, pra Operação Acolhida. Mecias tem que aprender que, pior que não fazer nada, é tentar enganar quem o elegeu, uma prática que é comum no seu jeito de fazer política, basta lembrar que em um ato, como presidente da Assembleia Legislativa, ele tentou efetivar a esposa e outros servidores apadrinhados como cargos efetivos na estrutura da Casa Legislativa. Portanto, Mecias tem que assumir que estava relatando uma MP pra AJUDAR VENEZUELANOS e não conter a crise migratória. 

 

Chateado

Nos bastidores, dizem que o senador de Roraima não gostou em nada do governo ter retirado seu protagonismo na destinação de recursos para Roraima. Por essa ser sua primeira ação prática de sua legislatura, ele teve toda uma preocupação em fazer os roraimenses acharem que o dinheiro era pra conter a imigração, quase um Fake News. Mas, a proposta miou, Mecias rodou e junto com seu filho, o deputado federal Jhonatan de Jesus (PRB), passou a tecer críticas ao presidente, como se isso fosse ajudar em alguma coisa.  Mecias teria dito aos mais próximos que ficou decepcionado com a postura do presidente em relação à Roraima, reclamando inclusive da mudança de postura de Bolsonaro que, antes da campanha, deu a entender que fecharia a fronteira e depois, deixou claro que o Brasil iria assumir os custos do acolhimentos aos venezuelanos. Fontes da coluna afirmam que a maior chateação de Mecias é não ter controle sobre a liberação dos recursos e, assim não poder barganhar recursos da MP como sempre fez em Roraima.

 

Reclamação 

Jhonatan se juntou ao caldo de políticos que reclamam recursos para o Governo de Roraima, querem que o Estado seja ressarcido dos gastos já feitos com o atendimento e serviços prestados aos imigrantes. É válido, mas será que eles não ouviram o anúncio feito pela Comissão Externa que visitou o Estado esta semana e que tem o filho do presidente Flávio Bolsonaro (PSL) e o deputado federal de Roraima, Nicoletti (PSL) que, por coincidência é base aliada de Denarium e de Mecias, informando que serão destinados quase R$ 1,6 milhão de emendas para atender ao Estado? Dizem que Nicoletti até deu um telefonema para os colegas Jhonatan e Mecias, pedindo que eles parem de reclamar do presidente e busquem mais recursos, assim como ele.

 

Convenção

A convenção do PSDB está marcada para este sábado. E nos bastidores o que mais se comenta é o climão que está rolando entre a deputada Sheridan e a dra. Eugênia Glaucy depois que a mesma manifestou o desejo de representar o partido como candidata à prefeita de Boa Vista. Diz que as duas chegaram a se estranhar depois do anúncio porque a deputada federal não teria sido consultada. Segundo dizem, Eugênia compete com um acordo de apoio feito com Abel Galinha (DEM) que foi candidato à vice-governador na chapa encabeçada por Anchieta, assim haveria uma predileção de Sheridan pelo ex-parlamentar. Muita gente apostou fichas de que a deputada federal vetará o desejo de Eugênia. De outro lado, estão os apaziguadores que acreditam na união das duas para a composição de uma chapa, representando a sigla do partido, mas isso implicaria em deixar Abel na mão e abrir espaço para que ele concorra com apoio do presidente da Assembleia Legislativa, Jalser Renier. Não é possível tecer uma previsão de como resultará esse encontro, até porque, há uma orientação inicial para que as questões de indicações de nomes não sejam discutidas agora. De concreto o que se sabe é apenas que Sheridan deve assumir a direção estadual do partido e ser a voz de maior peso na tomadas de decisões no Estado.

 

Câncer de Roraima

É assim que o senador Chico Rodrigues (DEM) tem sido chamado por médicos, pesquisadores e ativistas ambientais, tudo porque senador de Roraima abraçou a proposta do Governo Federal para autorizar novamente o Brasil a produzir e exportar amianto. Em 2017, o Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu a produção e uso de qualquer tipo de amianto no país. A decisão do Tribunal foi embasada em estudos da Organização Mundial da Saúde (OMS). Segundo esses dados, todos os tipos de amianto são cancerígenos, podendo causar câncer no pulmão, na laringe e no ovário; pelo menos 67 países já proibiram a produção e uso do produto. Mas, Chico abriu a boca para defender o amianto e chegou ao cumulo de dizer que "os trabalhos científicos mostram que não há nenhum problema que cause câncer". Faltou só explicar quem produziu esses estudos e onde eles foram publicados.

 


SEE ALSO ...