Coluna Roraima Alerta

Roraima Alerta 03.12.18


MAIS UM MÊS

Dezembro começou com um sabor amargo de desesperança para as famílias que aguardam por salários. São dois meses sem ter na conta o digno resultado dos dias trabalhados. Essa falta de dinheiro as colocou frente a sérios problemas causados pela incompetência de um governo que prima pela falta de compromisso com a população. Não há como pensar em momentos e sentimentos bons neste fim de ano. O que há para comemorar? O desânimo e desespero são os únicos sentimentos que milhares de servidores e suas famílias têm guardado no peito. A velha canção volta a ser entoada "Então é Natal, e o que você fez?", deve ser dirigida à governadora Suely Campos.

 

QUATRO CANTOS

A voz do povo é a voz de Deus. Ecoa nos quatros cantos deste Estado um grito de socorro. Justamente os familiares dos servidores da segurança criaram, involuntariamente, uma onda de protestos nos municípios. Começou por Boa Vista há 33 dias, em frente ao Palácio Senador Hélio Campos, e se estendeu por Rorainópolis, Caracaraí, São João da Baliza e também nas vilas mais distantes, como Jundiá. Há um caos instalado nas repartições públicas. Não há mais o que temer. Os interventores tentam negociar com o governo solução rápida para que os efetivos voltem a trabalhar. Afinal, o que pode acontecer sem os agentes penitenciários e socioeducativos? Motins, no mínimo. Chacina, quem sabe? E outros tantos problemas.

 

EDUCAÇÃO

Se não bastasse a falta de pagamento às terceirizadas do transporte escolar, o governo de Roraima decidiu dispensar profissionais credenciados, já que não tem dinheiro para pagar o salário de dezembro dos profissionais. A decisão atinge cuidadores, merendeiras, intérpretes de Libras e motoristas. Todos foram dispensados na última sexta-feira (30). O memorando foi assinado pela Secretária de Educação, Graciela Cristina. A decisão é só mais um entre tantos problemas. Outros 500 estudantes tiveram de ser liberados mais cedo por causa da falta de merenda em todo o Estado. Só falta agora a Polícia Federal vasculhar as contas da Educação para saber onde estão os milhões do governo federal e do orçamento estadual. Se teve maracutaia na Sejuc, lá o desvio deve ser maior.

 

REGALIAS CONTINUAM

A prisão não parece ser um lugar desconfortável para os presos na Operação Escuridão. Os pupilos do governo já têm regalias, como divulgado pela Coluna. Carvão, carne para churrasco, central de ar, colchão, e por aí vai a lista. A reportagem do Roraima em Tempo recebeu fotos que mostram compras chegando para os detidos, advogados enviados por outros políticos envolvidos com os Gafanhotos. Não basta terem sido bancados com dinheiro desviado dos cofres públicos todos esses anos. É preciso manter as regalias de filhinhos de papai no xilindró. Até quando essas permissões serão concedidas àqueles que sangraram os cofres e deixaram centenas de pessoas à míngua de remédios, material hospitalar, ônibus escolares, merenda de qualidade? A herança do crime do colarinho branco está mais viva do que nunca.

 

À MANIVELA

Por fim, a Casa da Mulher Brasileira vai ser inaugurada em Roraima. Um ano pronta, mas segurada pelo governo do Estado. É inadmissível permitir que esse espaço tenha demorado tanto tempo para receber as mulheres. Roraima é o estado onde se tem os maiores índices de violência contra a mulher e a governadora Suely Campos não se preocupou em agilizar a construção e inauguração do prédio. Dinheiro liberado, como sempre, ela teve, mas faltou trocar a manivela por algo mais moderno. A Casa representa um oásis para aquelas mulheres agredidas. Diversos serviços vão ser ofertados, eximindo as vítimas de terem que contar a história da agressão em cada um dos órgãos aos quais tem que comparecer atualmente. Essa ferramenta vai ajudar o Estado no enfrentamento às práticas criminosas e diminuir os índices vergonhosos que colocam Roraima no topo do ranking.

 

BLOQUEIOS

Ao menos quatro municípios estão com valores do FPM [Fundo de Participação dos Municípios] bloqueados pela Receita Federal. Caracaraí tem dívidas que chegam a R$ 20 milhões, deixadas pela gestão passada, e está na lista dos penalizados. Rorainópolis é outro, seguido por Pacaraima e Bonfim. Todos eles estão com valores retidos pela Receita desde o dia 13 de novembro. Atrelado a isso está, a falta de repasses para os municípios, ocasionado pelo governo do Estado. Sem o recurso do ICMS, por exemplo, as receitas das prefeituras se reduzem drasticamente, levando a demissões, como ocorrerá em Caracaraí (mais uma vez) até 14 de dezembro. Todos as outras prefeituras já registraram diminuição de recursos. Agora, é tentar reverter a situação junto ao órgão federal.

VEJA TAMBÉM...