Coluna Roraima Alerta

Roraima Alerta 11.01.19


- Reprodução

AMIZADE VERDADEIRA

JR Rodrigues, o homem articulador, aparece mais uma vez nas mídias sociais ao lado do senador eleito Mecias de Jesus. Os dois têm uma amizade muito próxima e foi graças a esse companheirismo de coisas ilícitas que o amigo alcançou o cargo de representante do governo em Brasília. Denota-se, assim, que Mecias tem forte influência dentro da gestão Denarium e acumula cargos dentro do primeiro escalão. Em troca de quê? Bom, pelo histórico de gafanhoto que o ex-deputado estadual tem, não pode se esperar mais que bons desvios de recursos dos cofres públicos de Roraima. Já da parte de Rodrigues, se a Rádio Roraima falasse, teríamos uma resposta mais concreta.

GARANTIAS

Na emissora as dívidas se acumulam num tanto inimaginável. Rodrigues passou por lá e deixou a marca de uma suposta corrupção carregada de maus desejos quanto ao crescimento de Roraima. Agora, com status de secretário, e com salário de R$ 23 mil, esse mesmo senhor se prestou ao ridículo papel de atacar e ofender a equipe deste jornal em nossas redes sociais. O motivo: tentar se explicar quanto às declarações de que Roraima precisa voltar a ser território. Em meio a essa compostura infantil, claramente se nota que o secretário não passa de um adulador de Mecias para garantir dinheiro no banco todos os meses.

DIÁRIO

Todos os cargos comissionados foram exonerados no último dia de Antonio Denarium como interventor federal. Até aí, tudo bem, já era de se esperar. A questão levantada é se, se fato, o governo vai enxugar a máquina pública a partir da extinção de muitos dessas funções. Quem não se lembra do desespero de Suely Campos para equilibrar as contas? Um dos atos foi exonerar mil cargos em comissão que apenas inflavam a folha de pagamento. A economia, segundo o governo à época, foi de R$ 2 milhões. A política de Denarium é garantir servidores capacitados tecnicamente para o cargo e não apenas fantasmas pelos corredores das secretarias.

EIS A QUESTÃO

Esses cargos em comissão são uma espécie de prêmio aos compatriotas da campanha política. Essa prática é feita há anos. No entanto, Denarium prega uma divergência entre o 'cultural', digamos, contratar gente em atendimento a determinado colega, e a necessidade do Estado. Isto é, o chefe do Executivo já afirmou diversas vezes que vai diminuir a máquina pública e isso perpassa pelo corte de cargos em comissão. Espera-se, assim, que as palavras não sejam ao vento e sim cumpridas. Afinal, estamos em calamidade financeira, não?! Que fique somente quem tem capacidade técnica e não prevaleça a vontade de políticos ou amigos.

DECEPÇÃO?

Quem votou no 'mito' achando que ele ia fechar a fronteira se enganou! Mesmo após a saída do Pacto, uma fonte da ONU revelou à Coluna que a fronteira entre Roraima e a Venezuela não pode ser fechada. Para isso acontecer, seria um processo muito burocrático que envolveria grandes e poderosas instituições. "Não seria nem viável fazer isso. Quantos quilômetros de fronteira existem? Muitos! As pessoas entrariam clandestinamente, trazendo vários problemas. Hoje, está organizado através dessa parceria das ONGs e do governo federal", relatou. Estariam os eleitores roraimenses de Bolsonaro decepcionados?

INDIFERENTE

Um vídeo que circula pelas redes sociais mostra um grupo de 'pessoas do Sudeste' deferindo críticas absurdas ao povo do Norte e Nordeste. Roraima é citada e os jovens do vídeo afirma que não vão mais, em outros termos, tolerar esse povo. A justificativa é porque Bolsonaro tomou posse como presidente. Nas imagens fica claro a falta de conhecimento do próprio povo das regiões mais distantes da nossa. Quando eles pedem para não gastarmos o dinheiro 'que eles produzem', fica nítido que o Brasil precisa avançar, primeiramente, em educação, mas não do Povo do Norte e Nordeste, e sim das regiões que não sabem o mínimo de história e pregam uma ignorância incalculável. Para nós, roraimenses, o comportamento esdrúxulo, mesquinho e pífio soa como um grande desafio: vencer o preconceito do próprio povo. Respeito é o que queremos!

SEE ALSO ...