Coluna Roraima Alerta

Roraima Alerta 17.10.2018


Pelo menos 50 empregados da Limponge protestaram cobrando quatro meses de salários atrasados - Edinaldo Morais/Roraima em Tempo

A VER NAVIOS

Por dois dias seguidos, protestos de servidores diretamente ligados ao Estado e de empregados terceirizados marcaram, mais uma vez, o início do fim do governo Suely Campos (PP). Segunda-feira, em meio a boatos de que ela renunciaria, policiais civis protestaram, segundo eles, por estar há dois meses sem receber salários. São quase 815 deixados a ver navios pelo governo.

CRENÇA

 No dia seguinte, pelo menos 50 empregados da Limponge, terceirizada que presta serviço ao Estado, protestaram cobrando quatro meses de salários atrasados. Sem ter como pagar suas contas e comprar comida, eles se sujeitam a trabalhar sem receber e creem, ao cobrar das autoridades, que alguma medida será tomada ainda este ano. 

ESPERANÇA

Nos estertores de um governo desde o princípio voltado mais para servir a familiares e a apaniguados do que ao povo, milhares de vítimas de calote e de um verdadeiro estelionato eleitoral ainda têm esperança de que, por meios legais, consigam receber o que lhes é de direito.

PARA O ANO QUE VEM?

 Dada a situação calamitosa dos dias atuais (e finais desta administração), é bem provável que boa parte desses que reclamam de meses de salários atrasados entrem 2019 de mãos abanando e tendo de apostar as fichas no próximo eleito para resolver tais problemas.

RESPOSTA AO SILÊNCIO

E dando sequência ao início de semana conturbado, em meio à boataria sobre renúncia da mandatária e protestos de gente que não vê a cor do salário há meses, está marcada para a tarde desta quarta-feira uma assembleia extraordinária convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores Civis Efetivos do Poder Executivo (Sintraima).

RESPOSTA AO SILÊNCIO I

Na pauta, atrasos salariais, possível paralisação das atividades e tantos outros assuntos que afligem os servidores desde o início do desgoverno que aí está e que sempre se silenciou frente às reivindicações de diversas categorias.

UNIDOS

A convocação se segue após servidores do Iteraima denunciarem estar há três meses sem receber salários. Vale destacar que o Sintraima representa, além do Instituto de Terras, empregados da Femarh, Iacti, Aderr e auxiliares de serviços da Secretaria de Saúde. Todos eles no mesmo barco, passando pela mesma situação e com a esperança de que, ao unir forças, possam ter seus direitos respeitados por este governo.  

MARCAS

Em meio aos protestos, o governo se limita a informar que a Procuradoria-Geral do Estado aguarda decisão, favorável ou contrária, sobre a ação que pede a tutela de urgência de forma liminar para garantir o pagamento dos salários dos servidores. Mas não se sabe quando nem de que forma isso ocorrerá. A dubiedade, sem dúvida, assim como a inépcia, é uma das principais características da gestão Suely.  

SEE ALSO ...