Coluna Roraima Alerta

Saúde de RR continua um caos

280519 RR Alerta


Chocante

A gravação feita por uma acompanhante que está com a mãe internada no Hospital Geral de Roraima é um retrato de como anda a saúde pública de Roraima. Ela é impedida de filmar, mas o vídeo segue em fundo preto, onde ouvimos a acompanhante desesperada porque, segundo ela, há tapurus saindo da cabeça de sua mãe. O nível de desespero da acompanhante denuncia a agonia vivida por quem depende desse serviço. Não é de hoje que o maior medo do roraimense é adoecer e ter que ser internado no HGR. Nunca há garantia de que se sairá com vida.

 

Limpeza

Se o clamor gravado por essa acompanhante for real, a existência de tapurus em uma paciente denuncia a flagrante falta de limpeza do HGR. Desde a semana passada, várias são as reclamações neste sentido circulando nos grupos de whats. Em um dos vídeos gravados na unidade, uma outra acompanhante aparece limpando o chão, porque a empresa contratada para fazer a limpeza está com seus serviços paralisados. É triste ver que, mesmo contribuindo com altos impostos, o cidadão comum que precisa desse serviço, não pode contar com o mínimo de qualidade possível.

 

Onde estão?

Assim que esses vídeos passaram a circular, a pergunta que mais se fez é "Onde estão os representantes do povo para fazer algo que venha mudar essa realidade?". Como representante do povo, entenda-se inicialmente, os políticos eleitos pela população. Na esfera federal são três senadores: Chico Rodrigues (DEM), Mecias de Jesus (PRB) e Telmário Mota (PROS). O primeiro tem uma história de muita proximidade com o presidente, mas só tem usado esse prestígio para negociar a troca de cargos, incluindo uma acomodação para um dos seus filhos. De Telmário, não se pode esperar muita coisa. De Mecias não se pode esperar muito porque as suspeitas que pesam contra ele, relacionadas à empresa União Comércio e Serviço podem comprometer muito a sua vida política e a do seu filho, Jhonatan de Jesus (PRB).

 

O juramento médico

Falando no herdeiro do clã Jesus, ele é médico e nunca abriu a boca para expor os problemas do HGR e menos ainda para defender a população, isso porque os dois, pai e filho, estiveram o mandato inteiro ao lado de Suely Campos e seguem agora, na base de apoio de Denarium. Foi durante a gestão de Suely, inclusive que a empresa União faturou mais alto com contratos na Secretaria Estadual de Saúde e pagamentos bem vultuosos foram feitos pouco antes do início do período eleitoral. Tudo documentado e à disposição dos órgãos de controle. Entre os deputados federais há ainda Hiran Gonçalves (PP), outro médico que também foi aliado de Suely e que segue sem manifestar qualquer palavra em defesa da população. Independente da função política, que já seria mais que suficiente para que eles se manifestem contra o desastre que está a saúde em Roraima, os dois fizeram o juramento de suas profissões mas parecem ter esquecido o compromisso assumido de respeitar a vida humana.

E a CPI?

Na Assembleia houve um início de um movimento em prol da sociedade com a proposta de instalação da CPI da Saúde. Mas, como o tema envolve o interesse de muitos políticos, conforme denunciado pelo próprio ex-secretário Ailton Wanderley, a continuidade desse trabalho enfrenta muita resistência. Até existe a cobrança de alguns deputados, mas são vozes isoladas e que, quando falam sobrem pressão. Exemplo disso, é o próprio deputado estadual Renato Silva do mesmo partido que Mecias de Jesus, ele foi um dos que insistiu na instalação da CPI, mas segundo se fala nos bastidores, foi veementemente repreendido pelo presidente do PRB. Tudo pelo receio de que as suspeitas da ligação de Mecias com a empresa União sejam comprovadas. Enquanto isso, a população segue exposta aos tapurus.

 

MP e TCE?

E os demais órgãos? É espantoso, mas o que a população de Roraima vivencia parece que não chega ao conhecimento dos órgãos de controle. Nem Ministério Público Estadual e nem o Tribunal de Contas do Estado manifestam qualquer posição em relação a qualidade dos serviços de saúde pública. O TCE chegou a emitir uma nota meses atrás, dando conta de alguns processos da saúde que estão sob análise do pleno. Mas, a lentidão em que esses processos são analisados também pesa nas dificuldades que a população enfrenta. Enquanto isso, as suspeitas de quem tem gente se beneficiando até maneira ilegal, com os recursos da saúde ganham volume ao mesmo passo que mais pessoas sofrem com a falta do atendimento e as condições que encontram quando conseguem ser internados.

 

 

Energia

O tema voltou a repercutir entre a população depois das interrupções verificadas no domingo e nesta segunda-feira. Apesar da empresa estar divulgando com antecedência a manutenção programada, algumas falhas de sistema ocorreram fora do cronograma planejado e deixaram muitos consumidores revoltados com a interrupção no fornecimento do serviço. O tema será debatido esta semana em duas audiências públicas, uma realizada na Câmara Municipal e outra na Assembleia Legislativa. É lamentável que neste processo algumas pessoas sigam repercutindo fake news sobre o assunto, entre elas, a de que as termoelétricas são prejudiciais ao Estado. Basta usar a lógica para saber que sem esse parque térmico, Roraima estaria no escuro.

 

Mais Termicas

Guri não tem condições estruturais para alimentar a Venezuela e ainda vender energia para o Brasil, tanto que apenas um parlamentar defende o retorno dessa energia e ele é Telmário Mota. Até o momento, a Roraima Energia não tem nenhuma segurança de que Guri está apta a abastecer o Estado, por isso, o sistema das térmicas é mantido. Tucuruí só chegará após 2021, se não houver mais atrasos na obra. 2021 é o mesmo prazo dado para as empresas de energia alternativa que concorrerão no leilão do dia 31 deste mês. Até lá, é a energia térmica a solução para o Estado tanto que o próprio presidente Jair Bolsonaro (PSL), autorizou a contratação de mais 30 megawatts desse tipo de energia para Roraima. E para quem acha que as termoelétricas são de todo prejudicial, precisa acompanhar o impacto positivo que elas geram na arrecadação do Estado que lucra com o ICMS do combustível. Segundo alguns especialistas, o crescimento da receita estadual somente com as térmicas é de aproximadamente R$ 10 milhões por mês, o que é muito bom para a reorganização financeira de Roraima.

 

Conta mais barata

E depois de uma série de contas com valores mais elevados, devido ao alto consumo no período mais quente do ano, os consumidores começaram a receber fatura com valores menores esta semana. O Portal RR Em Tempo recebeu informação de um consumidor que comemorou a redução dos gastos com a energia. Há dois meses, a conta da sua residência estava orçada em torno de R$ 760 e este mês, devido ao clima mais frio e sem o uso das centrais de ar, a conta baixou para R$ 470. São quase R$ 300 de economia durante o primeiro mês de período chuvoso o que derruba o discurso propagado nos últimos meses de que houve aumento da tarifa de energia em Roraima. Em tempo: conforme o calendário da Agência Nacional de Energia Elétrica, a ANEEL, o reajuste na tarifa para Roraima acontece uma vez ao ano, sempre a partir do dia 1o. de novembro.


SEE ALSO ...