Coluna Roraima Alerta

Telmário ferrou o Ministro Sérgio Moro

100519 RR Alerta


Vergonha

O senador Telmário Mota (Pros) não perde uma chance de passar vergonha. Nesta quinta (9), ele pousou ao lado do Ministro da Justiça Sérgio Moro, para dizer do seu apoio pela manutenção do Coaf sob os cuidados de Moro. Telmário chegou a requerer sua reintegração na Comissão que analisaria esse pedido. Conseguiu. Mas, na hora da votação ninguém sabe onde Telmário foi parar. Ele acabou sendo substituído pelo senador Jean Patres (PT) e, Moro perdeu. A Comissão deliberou e decidiu que o Coaf ficará com o Ministério da Economia. Todo o auê de Telmário só serviu pra ele passar mais vergonha.

 

Arrependimento

São atitudes como essas, comum ao histórico de Telmário, que fazem o roraimense sentir vergonha do senador. Mas, aqui se faz e aqui se paga. O roraimense amargou duas grandes decepções ao usar o sentimento de revolta e de descrença que se tem hoje em relação à política como justificativa para a escolha do voto. O primeiro arrependimento veio com Telmário que não cansa de matar o roraimense de vergonha. O segundo arrependimento foi o voto de confiança dado à Suely Campos que se apoio na lembrança do trabalho realizado pelo marido, Neudo Campos, condenado por comandar o maiores escândalos de corrupção de Roraima, o esquema Gafanhotos. Nem com o peso dessa herança, Suely foi eleita e o resultado foi a total desorganização das contas estaduais e muito roubo. Alguns deles, sob investigação da Justiça.

 

Será?

Não falta boa-vontade ao governador Antonio Denarium (PSL), o que se diz é que falta pulso para enfrentar as exigências feitas por alguns de seus aliados. Ao ceder a esses pedido e condições, Denarium está deixando de cumprir compromissos importantes que assumiu com o seu eleitor. E isso tem gerado um desgaste considerável à sua imagem. Diz-se que a Reforma administrativa não saiu porque a muitos aliados não querem perder os cargos comissionados que possuem. Mas, o custo disso é alto para Denarium. Enquanto mantém os amigos dos amigos pendurados na folha de pagamento, ele deixa de resolver problemas com os quais havia se comprometido, como o problema da saúde e do transporte escolar.

 

 

Crédito Social

Outro exemplo disso, é o crédito social. Na campanha, Denarium chegou a falar que aumentaria o valor do Crédito Social, mas ao assumir o governo se deparou com a bagunça deixada por Suely. E mesmo tendo se comprometido em reorganizar a gestão financeira do Estado, já anunciou que o Crédito não voltará a ser pago este ano. É de conhecimento de todos que há uma dívida pesada para ser honrada e que essa dívida consome muito dos recursos públicos que poderiam ser aplicados em situações como o próprio pagamento do Crédito Social. Mas, e se a Reforma Administrativa fosse colocada em prática? Será que haveria condições de honrar pelo menos o pagamento do benefício para um parcela da população que vive em condições de extrema pobreza e para qual R$ 120 fazem muita diferença? Até o momento, nem a promessa do Crédito e nem a da Reforma Administrativa está sendo cumprida.

 

Para o roraimense nada

Tanto as ações de Denarium que, está demorando para dar o retorno que prometeu à população, quanto as do presidente Jair Bolsonaro (PSL) deixaram o eleitor roraimense com um pé atrás com o 17. Por várias vezes, o presidente citou Roraima como a 'menina dos olhos' e mesmo que haja um interesse real em contribuir com o Estado, o Governo Federal ainda não atendeu nenhuma demanda de Roraima neste novo mandato. Pelo contrário, enquanto alguns eleitores aguardavam uma ação enérgica para conter a crise migratória, Bolsonaro destinou mais R$ 225 milhões para as ações de acolhimento e abrigamento. O roraimense que ainda aguarda pelo atendimento de saúde, pelo serviço do transporte escolar e por uma segurança pública melhor continuou sem receber nenhum benefício.

 

Diferente

Lamentável é que, mesmo com tantas visitas, tantos relatórios, o último entregue pelo deputado federal do mesmo partido de Bolsonaro e Denarium, Antonio Carlos Nicoletti que integrou a Comissão Externa da Câmara na companhia do filho do presidente Flavio Bolsonaro, nada foi feito de prático pelo Estado. Uma realidade bem diferente de como Roraima foi tratado pelo governo anterior que chegou a liberar R$ 225 milhões para regularizar o pagamento dos salários atrasados dos servidores que pararam o Estado. Para Bolsonaro, o Estado pode sim ser 'a menina dos olhos', mas está faltando ação prática que comprove isso.

 

Reflexos

Os reflexos dessas decepções iniciais com Denarium e Bolsonaro podem pesar e m muito na decisão do eleitor no pleito municipal. Será que quando o número 17 aparecer nas urnas, o eleitor terá a mesma empolgação para votar novamente? Hoje, o que se cobra de Bolsonaro é o apoio financeiro para Roraima, especialmente, porque a rede pública está atendendo a um número maior de pessoas desde que se iniciou o processo migratório. De Denarium, o que se espera é que ele cumpra as promessas de campanha, reduza cargos comissionados e valorize o servidor de carreira; promova a economia e invista na melhoria da qualidade dos serviços públicos. Nada além do que ele se comprometeu a fazer.

 

Lamentável

A Câmara Municipal e a Assembleia Legislativa se propuseram a discutir a implantação de novos radares de velocidade em Boa Vista. Na ALE, montou-se até uma comissão para acompanhar esse trabalho. Porém, o que se vê de modo geral nos dois ambientes ainda é o discurso que a Coluna criticou aqui ontem. Tanto vereadores como deputados estaduais repetem a história da indústria da multa e ainda não demostraram compreender que, só é multado quem não respeita os limites de velocidade. Poucos são os que conseguem abrir a mente e entender como os radares são fundamentais para a redução de acidentes e, consequentemente, de mortes no trânsito. É lamentável que representantes do poder público se posicionem dessa maneira sobre um tema tão importante e em pleno Maio Amarelo, mês em que se trabalha, de forma integrada pela reducação de acidentes. Aos invés de ficar repetindo frases prontas e ladainhas sem nenhum tipo de fundamento, vereadores e deputados deveriam estar somando forças pra sensibilizar a população que andar mais devagar representa mais chances de sobreviver a um acidente. E que isso deve ser feito não apenas onde o radar está instalado, mas quando se trafega por toda a cidade.

 

Inteligente

Em meio a tantos comentários difíceis de entender sobre o tema, pelo menos tem gente que consegue agir de maneira racional, sensata e inteligente. O vereador Renato Queiroz (MDB) deu um belo exemplo disso. Usando suas redes sociais, ele teceu comparativos com situações bem comuns ao universo dos jovens para mostrar, de uma vez por todas, que radar só multa quem tá errado. Talvez, com essa linguagem mais acessível, as pessoas parem de repetir o discurso fácil e entendam de vez, que esses mecanismos ajudam a salvar vidas, o que é muito importante. Não quer ser multado? Cumpra a lei, respeite os limites de velocidade, seja um condutor e um cidadão consciente.


SEE ALSO ...