INVASÃO

É simplesmente inacreditável o que está ocorrendo em Roraima. Gente que cansou de invadir terras dos outros se vangloria do feito e diz que não fez mais porque teve gente que lutou contra. Muitos estão perguntando por quais motivos Faradilson Mesquita e seus asseclas ainda não defenestrados da área particular que invadiram e a resposta é um ponto de interrogação. Ninguém está entendendo nada. Pior é que já tem gente dizendo que isto é uma grande armação e que tudo já está acertado. O que falta é a poeira abaixar.

MAS COMO?

Se essa invasão der certo Roraima vai se transformar num Estado onde o direito à propriedade não são respeitados e que qualquer um pode ocupar as terras dos outros que não terão problemas. O desocupado Faradilson já avisou que a governadora Suely Campos vai declarar a área como de interesse social para depois desapropriá-la e entregá-la ao seu cabo eleitoral. Vai ser dinheiro do contribuinte bancando programa eleitoreiro de alguns políticos, incluindo aí os deputados Soldado Sampaio, Mecias de Jesus e Oleno Matos, que atualmente é o chefe da Casa Civil do Governo.

INTERESSE?

Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS) são áreas demarcadas no território de uma cidade, para assentamentos habitacionais de população de baixa renda. Devem estar previstas no Plano Diretor e demarcadas na Lei de Zoneamento. Isso é o que diz a Lei. Será que a própria governadora vai agir contra a lei? Na área invadida não existe nenhum tipo de demarcação prévia para a criação de um novo bairro, ainda não está prevista no Plano Diretor (Cantá nem deve ter um) e estão demarcadas como de propriedade privada.

CARNE

Outra história que circula nas redes sociais e nos grupos de whatsapp é a de que a carne apreendida com uma servidora do governo seria usada num grande churrasco que os líderes invasores fariam para os desavisados que o acompanham. O Ministério Público Estadual que abriu procedimento a respeito desse assunto bem que poderia dizer o que descobriu sobre o caso.

GASTO

O governo de Roraima já gastou mais de R$ 10 milhões somente com contratação de empresa de táxi aéreo para servir o estado. O problema é que ninguém sabe em que os aviões são usados, a não ser em viagens constantes para Santarém.

GASTO I

Eis que agora o governo contrata uma empresa para fornecer um jato executivo de “porteira fechada”, ou seja, com tripulação, combustível e manutenção incluídos. O avião deverá servir a governadora em suas viagens para Brasília e outros Estados.

GASTO II

Como o Estado não tem nenhuma aeronave em condição de uso, para quê o estado acaba de comprar milhões em combustível para aviões de uma empresa de Manaus? Essa é mais história que vai ficar sem investigação e que, provavelmente, vai cair no esquecimento.

ESQUECIDA

Muitos anúncios da governadora depois que ela assumiu o cargo foram feitos, prazos foram dados, mas até agora nada. Quem se lembra das casas populares que seriam construídas em 180 dias por uma empresa coreana? Esses mesmos empresários coreanos também iriam fazer investimentos e parcerias nas áreas de saúde, agricultura, fontes limpas de energia e construção civil. Um bocado de gente do governo também foi passear na Coréia do Sul e o resultado está aí para todos verem.

INATIVO

De ontem (10) até quarta-feira (12), todas as agências da Caixa abrirão duas horas mais cedo para atendimento de trabalhadores que precisam sacar ou tirar dúvidas sobre as contas inativas do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). As unidades, que normalmente começam a funcionar para o público às 11h (Brasília), vão operar a partir das 9h. As que abrem às 10h atenderão a partir das 8h e as que normalmente começam as atividades às 9h vão funcionar a partir das 8h, com fechamento uma hora mais tarde.

PROTESTOS

As forças de segurança da Venezuela dissolveram nesta segunda-feira (10), pela quinta vez nos últimos dez dias, uma passeata de opositores do governo de Nicolás Maduro que tinha centenas de participantes e pretendia seguir rumo ao centro da cidade para protestar contra o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ).

CONFUSÃO

Mesmo sem a conclusão da apuração, a primeira etapa da eleição do novo comando do PT já é alvo de divergências internas dentro do partido. Um dos líderes do movimento de oposição interna, o Muda PT, o secretário nacional de Formação, Carlos Henrique Árabe, responsabilizou nesta segunda-feira (10) a corrente majoritária -CNB (Construindo um Novo Brasil)- pela baixa participação de militantes nas eleições ocorridas neste domingo (9).