Notícias Locais

Agricultor suspeito de matar esposa após série de agressões é preso pela Polinter

Sebastião Sousa é investigado num inquérito policial instaurado na delegacia de Cantá, em setembro, depois da morte da mulher na UTI do HGR

Créditos: Nonato Sousa
- Divulgação/Polinter

O agricultor Sebastião Xavier de Sousa, 41 anos, principal suspeito pela morte da mulher, Eliana Bezerra da Silva, 43 anos, em setembro de 2018, foi preso nessa terça-feira (15) preventivamente, em cumprimento a mandado judicial. A prisão dele foi feita por policiais da Polícia Interestadual (Polinter), da Polícia Civil.

Conforme a polícia, Sousa foi localizado numa plantação de tomates na vicinal Três Lagos, região da Vila Matá-Matá, zona Rural de Bonfim, nordeste de Roraima.

"Foram duas diligências para prendê-lo. Os agentes percorreram várias vicinais da região, no município de Cantá e até comunidades indígenas. Ele é investigado em um inquérito policial instaurado em setembro de 2018, na delegacia do Cantá, suspeito da morte da companheira depois de sucessivos episódios de agressão física", informou a Polícia Civil.

Ainda de acordo com a investigação policial, o agricultor e a mulher viviam em união estável há cerca de 20 anos e tiveram sete filhos. Antes da morte, a vítima foi internada no Hospital Geral de Roraima (HGR), onde passou 15 dias na Unidade de Terapia Intensiva, vindo a óbito.

"Em várias ocasiões, antes da internação, ela teria sido agredida por Sousa, com chutes e tapas e fios. Ela chegou a contar aos familiares que sentia fortes dores de cabeça, crises de desmaio, e passou a expelir pela boca secreção esbranquiçada, posteriormente teve um AVC [Acidente Vascular Cerebral] que se tornou irreversível. Na época, nem a vítima, nem os familiares sabiam que ela estava grávida e com base em certidão de óbito que comprovou lesão de traumatismo craniano, sua gestação foi seguida de aborto", destacou a polícia.

ABANDONO

Após os problemas de saúde e morte da mulher Silva abandonou os filhos, que foram amparados e cuidados pela família da mãe. "Ele passou se refugiar em algumas propriedades rurais", informou a PC.

Agora, após a prisão ao ser questionado sobre a violência que a vítima sofria, o agricultor negou qualquer responsabilidade. Sousa passou por exame de integridade física no Instituto Médico Legal (IML), em Boa Vista, e foi entregue na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, onde está à disposição da Justiça.

VEJA TAMBÉM...