Notícias Locais

Apenas 13 profissionais do Mais Médicos se apresentaram; indígenas são mais prejudicados

Profissionais brasileiros que não se apresentaram ontem para entrega de documentos estão fora do programa do Governo Federal; novas vagas serão preenchidas

Créditos: Gabriela Marcondes
- Divulgação

O prazo para a homologação do 16º ciclo do programa Mais Médicos criado pelo governo Federal encerrou ontem (10). Dos 44 profissionais brasileiros inscritos e aptos para trabalhar, até às 16h de quinta-feira, somente 13 tinham sido homologados. Novo ciclo será aberto para preencher as vagas.

Nesse ciclo, as vagas a serem preenchidas foram destinadas a brasileiros que possuíam Revalida. Foram 44 médicos aptos a ocupar as vagas dos profissionais cubanos que deixaram o programa após rompimento do país com o programa. A saída ocasionou um desfalque no sistema de saúde das comunidades indígenas e em alguns municípios de Roraima.

Segundo informações do coordenador estadual do Programa Mais Médicos, Ipojucan Costa, o 17º ciclo já foi aberto, este é destinado a médicos brasileiros formados no exterior. Os mesmos não precisam de Revalida. Até o encerramento da matéria ainda não se tinha um número exato de vagas para esse novo ciclo já que o prazo de apresentação ainda não tinha acabado e não foi possível saber quantas vagas estariam disponíveis.

"Se os profissionais que se inscreverem no novo ciclo do programa forem considerados aptos para preencher as vagas, eles entram na fase de escolha do município que começa no dia 23 e vai até 24 de janeiro, a nível nacional. Se após esse período houver vagas, se abre mais um ciclo, dessa vez com oportunidades a médicos estrangeiros, também sem precisar do Revalida. O processo abre do dia 30 a 31 de janeiro", explicou Ipojucan Costa.

NÃO SE APRESENTARAM

O número de médicos brasileiros que não se apresentaram dentro dos 44 chama a atenção por diversos motivos. Na avaliação do coordenador Ipojucan Costa, a maioria desses médicos brasileiros já possui outro vínculo trabalhista e acredita que na hora de atuar poderão formar o próprio horário. Por isso, as autoridades competentes do município descartam esse profissional para a vaga ou ele mesmo desiste.

"O município tem por obrigação ver no sistema de cadastro profissional, se esse médico tem outro vínculo empregatício. Se ele tem 40 horas já como concursado em algum lugar, é incompatível com a saúde da família que também é de 40 horas. Muitos acham que vão fazer o horário próprio e o município decide não levar esse profissional, porque vai ter problema e não irá atender à população. Então é preferível fechar o ciclo e esperar que profissionais formados no exterior aparecerem", reforçou Costa.

Esses brasileiros formados no exterior e os estrangeiros não precisam de Revalida, exame que reconhece o diploma de médico. Eles recebem um registro para atuarem nas áreas indígenas e municípios que estão com déficit de médicos. O documento não é válido para atuar fora do programa do governo Federal, evitando que eles façam tantas exigências como os médicos brasileiros que possuem o CRM.

"Temos a esperança de preencher todas as vagas com esses profissionais, já que os médicos brasileiros, vimos que não vai fechar. Atualmente, as áreas indígenas tem muitas vagas em aberto. Eles são os mais afetados", comentou o coordenador estadual.

POPULAÇÃO INDÍGENA

A saída dos médicos cubanos devido ao fim do convênio entre Brasil e Cuba no Mais Médicos ocasionou um desfalque aos centros de saúde do DSEI-Leste, DSEi-Yanomami e alguns municípios.

"Nesse momento, temos um vazio existencial, ou seja, faltam médicos nesses locais, especialmente na área indígena. Boa Vista é onde se tem o maior número de profissionais que ficaram sem atuar nessas áreas tanto nos DSEIs, quanto em alguns municípios como Uiramutã, Caroebe, São João da Baliza e Rorainópolis. Todos esses municípios estão deficientes com a falta de médicos nos programas", finalizou o Ipojucan Costa.

Roraima dispõe de 172 vagas no Programa Mais Médicos. Desse total, 72 eram ocupadas por profissionais cubanos que foram retirados. A expectativa é que essas vagas sejam preenchidas para que o atendimento volte ao normal.

SEE ALSO ...