Notícias Locais

Especialista dá dicas de como organizar as finanças pessoais para o próximo ano

Economista destaca que gastos desnecessários devem ser evitados e como usar corretamente o que se ganha para não viver no aperto

Créditos: Anderson Soares
- Diuvulgação

Para ajudar os consumidores a organizarem melhor as finanças para 2019, Carlos Darienzo, economista e professor dos cursos de administração e ciências contábeis de uma faculdade particular, elencou algumas medidas consideradas por ele como práticas e fundamentais.

Entre os custos mais comuns que pesam no bolso da população, logo no início do ano, estão Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e gastos com matrícula de escola, compra de uniforme e material. Entretanto, não são somente estas despesas que o trabalhador terá no decorrer do ano.

O economista explicou que esses gastos precisam constar no planejamento das pessoas desde agora, antes de começar o ano. Segundo ele, ao saber de todos os custos que deverão ser quitados, fica mais fácil se preparar financeiramente.

"É preciso fazer um planejamento financeiro. A pessoa pode pegar, por exemplo, papel e caneta e fazer uma espécie de controle do que ela ganha e o que vai gastar. Quem quiser, pode usar também o computador e fazer o mesmo em planilha. De um lado, a receita, que normalmente é o salário, do outro, as despesas", explicou.

Darienzo observou que a renda das pessoas, normalmente, é fixa. Ou seja, todos os meses é o mesmo valor. Com isso, o que deve ser alterado são as despesas, diminuindo-as o máximo possível, evitando principalmente gastos desnecessários.

"Tem que controlar as despesas. Como se faz isso? Anotando tudo que se gasta. Desta forma, a pessoa vai saber onde ela gasta dinheiro e, com isso, pode ser verificado onde pode cortar o que não é muito importante. Normalmente, as pessoas gastam muito sem precisar, sem nenhum objetivo prático", avaliou.

DÉCIMO TERCEIRO

Muitos trabalhadores recebem a última ou a totalidade do décimo terceiro salário em dezembro. Darienzo disse que essa renda extra pode ajudar as pessoas se usada corretamente.

"O recomendado é separar uma parte do décimo terceiro para ajudar a honrar as dívidas de começo de ano e até começar 2019 com capacidade de consumo. A outra parte as pessoas podem usar nos gastos dessa época do ano, a exemplo de cestas de Natal, presentes e roupas, sem nenhum problema", aconselhou.

VEJA TAMBÉM...