Notícias Locais

Mulher desmente informação divulgada na internet que teria sido agredida pelo marido

Ela afirma que incidente com portão da residência motivou denúncia de vizinhos

Créditos: Anderson Soares
O técnico foi conduzido ao Plantão da Polícia Civil e acabou preso em flagrante - Arquivo/Roraima em Tempo

A assistente administrativa Samaria Ferreira de Sousa, de 35 anos, procurou a reportagem do Roraima em Tempo nesse fim de semana para fazer esclarecimentos sobre uma ocorrência policial envolvendo o marido dela, o técnico de equipamento hospitalar, Rodrigo Moura de Alencar, 43.

De acordo com Samaria, está circulando nas redes sociais e aplicativos de mensagens instantâneas que Alencar foi detido pela Polícia Militar, na madrugada de sábado (23), sob acusação de ter cometido o crime de Maria da Penha, o que segundo ela, não procede.

Foi repassado que a foto dele, bem como da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) estão sendo divulgados na internet.

Ela explicou que após saírem para jantar com o filho de cinco anos, retornaram para casa no bairro Silvio Leite, zona Oeste de Boa Vista, por volta das 2h de sábado. Ao se aproximarem do portão da residência com o carro, o marido dela, que estava dirigindo, encostou no portão de forma que o derrubou. Com o barulho, os vizinhos ligaram para a polícia por acreditarem ser alguém querendo roubar a casa.

"Nós colocamos o carro para dentro, arrumamos o portão e logo em seguida fomos dormir. Depois de algum tempo chegaram dois homens lá fora dizendo que queriam conversar comigo, um em cada canto do portão. Não dava para identificar eles de onde eu estava. Eu olhei da janela de dentro de casa e perguntei: quem são vocês? Eu, com medo, disse que não iria sair porque pelo horário não era hora de conversar com estranhos que chegam na sua casa", comentou.

Samaria frisou que as pessoas, que eram policiais, não se identificaram de imediato. Ela disse que para assustar os dois homens o marido dela pegou uma arma que guarda em casa e efetuou um único disparo em direção ao chão. Só após isso eles teriam dito que eram policiais militares.

"Como a gente não deve nada, foi tudo um engano, eu saí primeiro. Mostrei as mãos e falei: olha não tenho arma nenhuma, não está acontecendo nada, eu estou bem. Abri o portão e fui lá fora. Claro, devido à denúncia e fazendo o trabalho deles, disseram para o meu marido jogar a arma. Ele jogou e não ofereceu nenhuma resistência à prisão. Logo em seguida fomos à delegacia", contou.

A assistente administrativa relatou à reportagem que por conta da publicação feita na internet os amigos e conhecidos pensam que ela foi espancada pelo marido. Ela disse não saber quem teria publicado o texto, bem como a foto do marido. No entanto, vai tomar todas as providências cabíveis.

"Por conta da informação que está circulando nos grupos e também no instagram, todo mundo me procurou, pela história de que eu fui totalmente espancada. Não houve nada disso. Isso é ruim tanto para a imagem dele, como para a minha e do nosso filho. Como hoje é domingo não conseguimos falar com advogado, mas a partir de segunda vamos resolver isso".   

SEE ALSO ...