Notícias Locais

Projeto oferta aulas de português e cultura brasileira a venezuelanos

Conhecimentos estão sendo repassados por professores voluntários


Aulas são gratuitas e são ministradas no auditório da Cáritas Diocesana de Roraima - Arquivo/Cáritas

O projeto 'Português para Acolhimento', destinado a migrantes venezuelanos, abriu três novas turmas nesta semana. A iniciativa é uma parceria entre o Serviço Pastoral do Migrante (SPM) da Diocese de Roraima e a Universidade Federal de Roraima (UFRR). A carga horária é de 60 horas/aulas.

Cada turma possui 30 alunos. Os conhecimentos sobre o idioma brasileiro estão sendo repassados por professores de maneira voluntária. Ao final do curso, os participantes receberão certificação emitida pela UFRR. 

A comunidade São João Batista, no bairro Caranã, assumiu o desafio e terá duas turmas instaladas. A aula inaugural ocorre nesta quinta-feira (14), a partir das 19h.

No início da semana, o SPM começou uma turma no auditório da Cáritas Diocesana de Roraima. Às 60 horas/aulas irão ocorrer todas as segundas, quartas e sextas-feiras, das 14h30 às 17h, na sede localizada na avenida Nossa Senhora da Consolata, ao lado da igreja Catedral Cristo Redentor.

Segundo o secretário da Pastoral do Migrante, Eduardo Freitas, as aulas servirão para que os venezuelanos tenham conhecimentos sobre a cultura brasileira e aprendam a falar o português. "Os conhecimentos também serão úteis para que possam se adequar e entender melhor as leis do país e ajudar na busca por uma colocação no mercado de trabalho".

A professora voluntária, Dinací Silva de Sousa, ressaltou que as aulas serão em apenas um turno (período da tarde), no prédio da Cáritas, e que inicialmente estão participando 35 alunos migrantes, dentre eles, jovens, adultos e idosos. 

"Apesar de ser apenas uma hora de aula, os alunos terão que respeitar as regras como:  chegar no horário, usar roupas adequadas, ficar em silêncio e ter atenção ao aprendizado", completou a professora.

Para a aluna migrante, Gladys Cedeño, é fundamental participar do projeto para aprender e entender sobre as leis do país e assim poder trabalhar e ter mais comodidade na comunicação do dia a dia.

De acordo com a coordenadora do SPM, irmã Valdiza Carvalho, o projeto já concluiu 18 turmas no ano passado. As aulas são totalmente gratuitas, com material didático entregue pelo SPM.

Em 2019, segundo a coordenadora, de janeiro até o presente momento, quatro turmas já estão em pleno funcionamento. "A meta é ampliar o curso aos municípios do interior do Estado, com turmas manhã, tarde e noite", afirmou.

Na oportunidade, Valdiza adiantou que novas turmas poderão ser formadas, desde que as comunidades católicas manifestem o interesse em recebê-las. "O SPM está aberto às novas sementes plantadas. Precisamos também que novos professores voluntários possam aderir ao projeto, uma vez que são dois professores por turma", comentou.

VEJA TAMBÉM...