Notícias Locais

Sexto BEC completa 50 anos em Roraima: 'uma história repleta de realizações'

Iniciada primeiramente em Manaus, o 6° BEC foi implantado em Boa Vista em 1969 por um decreto presidencial


Em alusão à data, uma exposição de fotografias foi realizada no shopping do bairro Caçari - Divulgação

O aniversário de 50 anos do 6° Batalhão de Engenharia e Construção (6°BEC) acontece hoje (9) com uma formatura especial. A comemoração em alusão à data teve início com uma exposição de fotos em um shopping da capital, no bairro Caçari, nos dias 4 e 5 de agosto. Nesta quinta-feira, também aconteceu uma formatura com a presença de antigos "Bequiano", que são os militares que serviram na organização ao longo desse cinquentenário de história.

A instituição surgiu na década de 1960 como uma ação estratégica do governo federal com a intenção de ocupar e povoar a Região Amazônica e em virtude das tensões existentes na faixa de fronteira com a República da Guiana.

Iniciada primeiramente em Manaus, o 6° BEC foi implantado em Boa Vista em 1969 por um decreto presidencial. Com a unidade instalada em Roraima, o primeiro a assumir a instituição foi o tenente-coronel Ney Oliveira de Aquino que utilizou os meios de deslocamentos aéreo e fluvial existentes na época para trazer os primeiros militares do batalhão. Ao chegarem, montaram acampamento no bairro Mecejana e logo iniciaram os preparativos que culminaram na instalação oficial e provisória do comando do 6°BEC, na antiga sede da guarda territorial, localizada na Avenida Capitão Ene Garcez, em março daquele mesmo ano.

FEITOS

Os anos se passaram e na década de 1970, em cumprimento ao seu propósito de criação, a unidade enfrentou aquela que seria considerada a mais bela batalha e o maior desafio de sua história, empregando todos os seus meios disponíveis na construção das BRs 174 e 401. Em uma história de sete anos e alguns meses, que apesar da inconsolável e heroica perda de 4 militares e 28 servidores civis, tombados em serviço durante a execução da missão, consolidou em abril de 1977 a integração de Roraima com o restante do País, por meio da construção, conservação e manutenção de 971 quilômetros de estradas que proporcionaram a ligação terrestre entre Manaus e o município de Pacaraima, que faz fronteira com a Venezuela.

Já nos anos 1980, o 6° Batalhão de Engenharia e Construção deu continuidade ao apoio ao desenvolvimento regional.  Atuou fortemente na construção de pontes, bueiros e pavimentação das BRs 174 e 401, serviços de engenharia e na construção, implantação da antiga Base Aérea de Boa Vista (BABV), que é atualmente ALA 7, execução do asfaltamento das principais ruas e avenidas da cidade e também melhorias nas instalações de sua sede e das organizações e instituições militares já implementadas na guarnição.

Na década de 1990, o batalhão continuou atuando e realizando mais feitos. Realizaram a construção das instalações da 1° Brigada de Infantaria de Selva, do 32º Pelotão de Polícia do Exército, do 1º Pelotão de Comunicações de Selva, do Posto Médico da Guarnição de Boa Vista e a Terraplenagem da área da 1ª Base Logística de Selva que é o atual 1º Batalhão Logístico de Selva. Além disso, realizou a construção do Estande de Tiros da Guarnição e de diversos Próprios Nacionais Residenciais (PNR) das vilas militares de oficiais, subtenentes e sargentos, além da construção do muro de arrimo e de parte das infraestruturas do 1º Esquadrão do Segundo Grupo de Aviação do Exército que é a agora o 4º Batalhão de Aviação do Exército, com sede em Manaus.

O 6° BEC agora trabalha na execução dos serviços de terraplenagem, drenagem e pavimentação asfáltica de aproximadamente 13 quilômetros da BR-432 na região do município do Cantá, recuperação da rede mínima de estradas das bases do Centro de Instrução de Guerra na Selva, em Manaus, nos serviços de implantação da rede de esgoto, drenagem fluvial, executando trabalhos da "Operação Acolhida" que visa à construção dos abrigos e bases utilizados pela Força-Tarefa Logística Humanitária na recepção e acolhimento de pessoas em situações vulneráveis vindas da Venezuela, com atuação em Pacaraima e principalmente na cidade de Boa Vista.

VEJA TAMBÉM...