Polícia

Venezuelano mata eletricista em suposto assalto em frente de casa ao tentar roubar motocicleta

Francisco Santos morreu no local. Segundo uma testemunha ocular do crime, outro bandido mandou o estrangeiro atirar na vítima

Créditos: NONATO SOUSA
- Divulgação

A violência também deixou mais uma família órfã em Boa Vista, no final de semana prolongado. Na noite de sábado (3), supostamente ao tentar roubar de uma motocicleta, um criminoso possivelmente venezuelano matou uma pessoa e acabou fugindo junto com o comparsa sem levar o veículo.

O caso foi atendido por policiais militares que após conversarem com uma testemunha do crime, ainda fizeram diligências para tentar prender os criminosos, mas até esse domingo (4) quase 24 horas depois do latrocínio (roubo seguido de morte), nenhum suspeito fora preso nem identificado.

A vítima foi o eletricista Francisco Oliveira dos Santos, de 40 anos. Ele e a testemunha, o autônomo Josiel Morais, 41, seu ex-cunhado, chegavam em casa, na rua Antônio Vieira da Silva, antiga C-50, no bairro Santa Luzia, quando segundo o autônomo, ao pararem o veículo na frente do imóvel, foram surpreendidos por dois indivíduos que chegaram ao local numa bicicleta.

Morais disse aos PMs que durante a ação criminosa, um dos bandidos gritou para o comparsa "atira mira, atira mira". Em seguida houve o disparo a queima roupa que acertou o eletricista. O ex-cunhado informou ter tentado acelerar a motocicleta para fugirem dos assaltantes, mas não adiantou. Em seguida ao tiro, o venezuelano e o comparsa fugiram na bicicleta que eles chegaram.

Socorristas do Samu foram acionados, mas quando chegaram ao local, Santos já estava morto. O local do latrocínio foi isolado pelos PMs para o trabalho dos peritos da Polícia Civil e ao final da perícia o corpo do eletricista foi removido ao Instituto de Medicina Legal (IML). Na manhã de domingo o corpo de Francisco foi entregue para a família fazer o velório e sepultamento.

O relatório dos PMs com informações sobre o latrocínio foi entregue no Plantão da Polícia Civil, porém o caso será repassado à Delegacia Geral de Homicídio para investigar, identificar e prender os criminosos.