Questão de Opinião

A preocupante ascensão da extrema-direita

Créditos: ANDRÉ HEOLZLE

ANDRÉ HEOLZLE*

 

"A política que converge para ações que avalizam o fanatismo contra o islamismo corre o risco de normalizar a retórica de extrema-direita, validar programas de partidos populistas e fortalecer os movimentos, como os que vemos na Áustria, que demonizam as comunidades muçulmanas". 

 

A extrema direita avança em desabalada carreira e o bolsonarismo não preocupa somente as Américas, mas grande parte do mundo, pois assim como o novo presidente do Brasil, outros governantes estão levando seus países a navegarem por mares revoltos. A decisão da Áustria  proibir o véu de rosto inteiro em espaços públicos, como tribunais e escolas, mostra como o fanatismo anti-muçulmano está atingindo seu ponto mais alto. Isto porque os ataques terroristas a mesquitas são um aviso do que pode acontecer. É, para dizer o mínimo, um momento bastante imprudente para a direita europeia anunciar políticas que discriminem os muçulmanos.

Como apenas cerca de 150 mulheres afetadas, a proibição austríaca do niqab e da burca é considerada um ato simbólico e não uma política destinada a responder a uma ameaça à segurança, ou a provocar uma mudança social. É simplesmente uma reação à pressão pública sobre o governo de Viena para tomar uma ação firme e visível. Em sua tentativa desesperada de recuperar a confiança do público, os políticos centristas em toda a Europa vêm cada vez cedendo aos eleitores de extrema-direita. Políticas que foram inicialmente sugeridas por direitistas estão agora sendo cada vez mais adotadas também pelos políticos tradicionais.

A proibição do véu é apenas uma das respostas ao medo que sente grande parte da população por entender que a cultura e tradições estão sendo corroídas. A sensacionalização dos ataques dos jihadistas, junto com o alargamento das ações da extrema-direita, espalhando notícias falsas, molda a percepção do público sobre os vínculos entre a crise da migração e a ameaça do terrorismo. 

A pressão política enfrentada pelos governos é particularmente elevada contra candidato de centro ou de centro-esquerda. À medida que as pesquisas de opinião revelam, a direita ganharia eleições em boa parte do continente europeu se fossem realizada amanhã.  Isso leva a comportamentos politicamente favoráveis ??e não por aqueles que poderiam ser estrategicamente valiosos. As abordagens que se baseiam em valores que enfatizam os direitos humanos são cada vez mais substituídas por leis draconianas que reduzem as liberdades civis. 

Mas a proibição total do véu não é apenas radical, mas também ineficaz. Corre o risco de causar confusão sobre a extensão e a natureza de qualquer ameaça terrorista à Áustria por confundir conservadorismo com extremismo religioso. Os austríacos têm medo do Islã? Sim, e o consideram como uma ameaça. Por isso, mais de 65% dos austríacos aprovam a proibição das tradicionais vestes muçulmanas.

Pelo andar da carruagem, não demorará muito para que no Brasil essa intolerância comece a brotar em partes do País onde é maior a presença de árabes na população, como ocorre na região de Foz do Iguaçu.

 

*O autor mora, estuda e trabalha em Preston (Lancashire, UK). [email protected]

 

 


SEE ALSO ...