Questão de Opinião

Dizem que sou louco...

É comum falarmos que fulano é doido, e essa palavra pode ser usada de diversas formas e contextos


Preconceito, talvez essa seja a palavra mais falada ultimamente, mas ele não se resume ao racismo ou a sexualidade, e pode ser danoso em qualquer esfera de nossa vida.

Existem vários tipos de preconceito e todos prejudicam a vida de quem sofre, um deles está relacionado a normalidade psíquica das pessoas. É comum falarmos que fulano é doido, e essa palavra pode ser usada de diversas formas e contextos, mas é fato que a "loucura" é um grande motivo de preconceito. As pessoas ainda não conseguem entender e tratar com naturalidade questões que são diferentes das que estão acostumadas.

A depressão é considerada a doença do século e tem se tornado uma grande preocupação para a classe médica, já a ansiedade afeta a maioria dos jovens. Ambas doenças passam despercebidas por muito tempo devido o preconceito que ainda cobra uma certa normalidade de todos.

Infelizmente muitas pessoas não compreendem a importância do tratamento e acompanhamento médico para essas doenças e preferem taxar pessoas que possuem esses sintomas como loucas ou pior ainda, preferem falar que tudo não passa de frescura e que isso é falta do que fazer, o que é triste, pois esse tipo de comportamento só agrava o quadro dos que sofrem com esses problemas, já que é muito importante o apoio de pessoas próximas para que cada etapa seja vencida e que seja possível ter uma vida "normal".

Ainda sim, é mais fácil entender quando uma pessoa que não possui conhecimento de causa interpreta doenças psíquicas como algo irrelevante, mas quando o descaso com o estado mental vem de um profissional da saúde, além de configurar falta de conhecimento é nítido o preconceito.

Cada pessoa pode acreditar no que quiser, mas se ela estuda e ocupa um cargo que precisa de conhecimentos específicos, o que se espera é que suas crenças não sejam maiores do que seu conhecimento naquele momento. Qualquer um pode acreditar no que quiser, mas não se pode deixar o que acredita passar em cima de todo conhecimento científico prejudicando alguém por isso.

Precisamos refletir sobre isso, a depressão, ansiedade, transtorno bipolar, pressão alta, diabetes, HIV entre outras, com o acompanhamento correto, permitem que o paciente leve uma vida normal.

Todas as vezes que alguém questiona sua capacidade para trabalhar, estudar e desenvolver alguma atividade em função do seu quadro clínico, principalmente quando o médico que te acompanha autoriza, incentiva o desenvolvimento de todas as atividades "normais", e lhe considera apto para fazê-las, essa pessoa está sendo preconceituosa, e você não deve se diminuir, pois isso configura assédio e danos morais, o que é crime.

Lembre-se que o preconceito diz mais sobre quem o tem, do que sobre quem sofre. Sua "doença" é aquilo que lhe torna melhor que os outros pela sua capacidade de se superar todos os dias. Afinal o que é ser normal? O que é ser louco?

ELIZA LIMA - A autora é professora, graduada e especialista em Filosofia. [email protected]

SEE ALSO ...