Roraima em Alerta

129 anos de Boa Vista e os novos desafios

090719 RR Alerta


129 anos

Boa Vista completa 129 anos hoje. E quem acompanha a história de desenvolvimento da cidade reconhece que houveram mudanças significativas para melhor na infraestrutura, nos serviços e na qualidade de vida da população. Mesmo que a questão migratória se apresente como um novo e grande desafio, ela não anula conquistas importantes como reconhecimento de Boa Vista como a capital brasileira da primeira infância. Para quem nasceu em Roraima e para tantos outros que estão de passagem ou escolheram essa cidade como sua casa, o sentimento é mesmo de amor compartilhado por essa cidade.

 

Lamentos

É esse mesmo sentimento que tem levado muito gente a lamentar as mudanças geradas pelo novo contexto social enfrentado pelo Estado. A sensação de insegurança tem mudado comportamentos e deixado muita gente saudosista de como conseguia viver há alguns anos. A crise migratória causou um efeito maior em Boa Vista porque a capital concentra aproximadamente 70% da população do Estado, a maior parte dos serviços públicos e isso atrai mais imigrantes para a cidade. Os abrigos em sua maioria, estão em Boa Vista. E sem condições de absorver com qualidade e até dignidade tantas pessoas que chegam diariamente, muitos descambam para o mudo do crime ou se veem na necessidade de cometer certos delitos. É por isso que o cenário social mudou e esse é com certeza, o maior desafio de Boa Vista para os próximos anos.

 

Parcerias

Enquanto o roraimense desfruta de resultado de parcerias que dão certo, que ajudam a melhorar a cidade com obras de infraestrutura e ações sociais, outras surgem fadadas ao fracasso desde o início. Mesmo com toda a repercussão negativa gerada pela publicação em que o governador Antonio Denarium (PSL) e senador Telmário Mota (PROS) aparecem reunidos, nenhum dos dois se manifestou sobre o tema. O que mais se falou foi no conchave político que tem como foco as próximas eleições. Mesmo ameaçado de perder o mandato, Denarium acredita que pode se reeleger e para isso, considera o apoio de Telmário. O senador por sua vez, pode ser o nome indicado pelo seu grupo como candidato à Prefeitura, mas se isso não acontecer, estará na disputa em 2022 para permanecer na vaga que ocupa no Senado Federal. Ele conta agora com o apoio de Denarium.

 

Fracasso

Mas o que pode surgir de positivo dessa parceria? Se forem considerados os comentários feitos pelos internautas, a resposta é nada. Não foi positivo para Denarium que foi taxado até de doido ao ignorar as inúmeras ofensas pessoais feitas por Telmário em seus famosos vídeos. O senador chegou a dizer que ia prender Denarium, que o mesmo não sabia administrar, que estava afundando Roraima e chamou até o governador de agiota. Está tudo registrado na memória do povo e da internet que não deixa nada mais morrer. Telmário por sua vez não tem aprovação nenhum por parte da população, muitos se arrependeram de ter dado um voto de protesto que resultou na sua eleição ao Senado Federal. A atuação do parlamentar é de causar vergonha, assim como sua própria história pessoal envolta em escândalos que passam pelo esquema dos gafanhotos, acusação de agressão à uma jovem, participação em rinhas de galo que é crime no Brasil e terminando nos discursos mais mirabolantes possíveis, como o do planeta Nibiru. Com todas essas características é quase impossível de acreditar que alguém queira ter perto de si politicamente, uma figura como Telmário. Pelo visto, o sendo crítico de Denarium está cada pior.

 

Respeitou

Desde a semana passada, o governador vem relutando em decretar a suspensão das atividades administrativas em decorrência do feriado de aniversário de Boa Vista. Mesmo com seus secretários e assessores apontados que seria uma medida impopular manter o funcionamento do governo, Denarium só concordou ontem, no final da manhã em decretar o feriado. É compreensível a sua atitude se considerarmos que a origem do governo é o setor privado, onde o lucro prevalece e um dia sem atividade representa perda de receita. Mas, também é necessário concordar que negar o feriado, seria no mínimo, uma atitude desrespeitosa à tradição do aniversário de Boa Vista. Pesou o bom senso e hoje, apenas os serviços essenciais do Governo estão funcionando.

 

Sem repasses

Faz pouco tempo, os prefeitos do interior estiveram com o governador discutindo suas principais necessidades, foi a primeira tentativa de diálogo entre estado e município. Mesmo não satisfeitos com algumas falhas do Governo, os prefeitos compareceram, afinal era a primeira tentativa. Porém, pelo visto, nada vai mudar. Mucajaí por exemplo, continua sem receber repasses constitucionais obrigatórios para manter os serviços de saúde e nem os recursos do IPVA que o governo arrecada, entraram na conta do município. Em Rorainópolis, o Hospital Estadual está sem condições de atendimento com tudo em falta. Para garantir que as pessoas não morram sem o seviço de saúde, a Prefeitura colocou uma viatura do Samu à disposição da unidade. Assim, os casos graves conseguem pelo menos o direito à remoção para Boa Vista, mas graças ao apoio do município.

 

Orçamento

Se colocarmos na ponta do lápis quanto uma prefeitura do interior tem de orçamento disponível para a saúde e quanto o Estado recebe mensalmente para manter os serviços, ficará clara a diferença em milhões de reais. Assim, é muito difícil que as prefeituras sigam arcando com o atendimento que deveria ser oferta do Governo. Logo, o orçamento dos municípios vai estourar e os gestores vão enfrentar graves problemas, porque vai faltar dinheiro para atender algumas que são suas responsabilidades específicas. Denarium precisa ter atenção a isso, ou será o culpado pelo desmonte da Saúde em Boa Vista em todos os municípios do interior.

 

Indecisão

O governo de Roraima anulou a rescisão de um contrato entre a Secretaria de Agricultura e uma empresa terceirizada, e voltou a manter a prestação do serviço na ativa. A publicação consta no Diário Oficial do Estado. Em consulta às informações do contrato de aluguel de veículos, a Coluna descobriu que o valor firmado é de R$ 3,9 milhões, válidos por um ano. Assinado em outubro do ano passado, a rescisão ocorreu em abril. Contudo, no início deste mês a decisão de invalidar a ruptura por parte do governo foi reanalisada, o que leva a Coluna a questionar: por que o governo fez isso?

 

Prioridades

A cobrança pelo pagamento do Crédito do Povo foi endossada pelo deputado estadual Jorge Everton (MDB). Conforme reportagem publicada pelo Portal RR Em Tempo, ficou constatado que existe previsão orçamentária para atender 35 mil famílias com o programa. Tudo está especificado em publicações no Diário Oficial do Estado, mesmo assim, o Governo deixou de cumprir. Segundo parlamentar, essas pessoas representam 35 mil famílias que consomem, movimentam a economia, mas que dependem desse recurso para complementar sua renda porque se encontram em situação de extrema vulnerabilidade, quadro que se agrava sem o repasse do benefício. Assim, o parlamentar pretende consultar o governo para verificar porque o programa não está sendo executado, mesmo que exista a previsão em lei. É mais um fator complicador para a administração de Denarium que pode até ser acionada judicialmente pelo descumprimento de metas físicas prevista no orçamento que ele mesmo revisou e submeteu a aprovação da Assembleia Legislativa. Além disso, desses 35 mil beneficiários que votou nele acreditando na promessa do aumento do Crédito do Povo para R$ 180 mensais, já se arrependeu. Na Lei de Diretrizes Orçamentárias, projeto feito pelo Governo e aprovado recentemente pela Assembleia, não consta destaque para nenhuma previsão orçamentária referente ao Crédito do Povo, o que pode impactar não execução do programa também em 2020. As famílias estão apreensivas e cobrando o que lhes é direito.


SEE ALSO ...