Roraima em Alerta

Políticos usam protesto para se favorecer

030419 RR Alerta


Politicagem

Dizem que em Roraima tudo gira em torno de política. E, infelizmente, ainda é um fato onde a economia depende quase em sua totalidade dos recursos públicos, a chamada economia de contracheque. Num cenário como esse, até mesmo movimentos que deveriam ser apolíticos, manter uma independência, acabam sendo contaminados pelo desejo de um ou outro de se promover. Infelizmente, ainda não existe a cultura da mobilização pelo bem comum, há o desejo de fazer zuada e aparecer na mídia.

 

Reflexão

A Coluna inicia com essa reflexão para chamar atenção do leitor em relação a um movimento organizado em grupos de redes sociais que reclamava pelo preço abusivo das contas de energia. O tema é legítimo e qualquer cidadão, como consumidor, tem o direito de contestar a empresa fornecedora do serviço ou até acionar órgãos como o Procon que regulamentam as relações entre fornecedores e clientes. Inclusive, o Procon da Assembleia Legislativa notificou a Roraima Energia, cobrando uma explicação de como o preço da conta é calculado. A empresa apresentou dados técnicos e mostrou que o calor dos últimos dias gerou o aumento no consumo da maioria das casas. A empresa também explicou que não houve aumento da tarifa. Isso só pode ser feito com autorização da Agência Nacional de Energia Elétrica, a ANEEL. E, no caso de Roraima, a data do reajuste anual é 1o. de novembro. Portanto, não houve aumento no preço da energia, mas no que as famílias consumiram no período.

 

Fake News

Aliás, transparência, honestidade e informações oficiais foi o que faltou na tal manifestação. Organizada por "líderes" manipulados por políticos que não querem colocar a cara para bater, eles fizeram pequena manifestação, para protestar contra o valor da conta energia, onde o que mais se ouviu foram afirmações totalmente sem fundamento. Disseram que os roraimenses pagam a conta mais alta de energia do país, o que não é verdade. A diferença do preço pela geração da energia com a queima de óleo diesel através das termoelétricas, é dividida entre os contribuintes de todo o Brasil. Falar qualquer coisa diferente disso, é propagar Fake News.

 

Termoelétricas

Também houve muitas críticas às termoelétricas. Mas, quem fala isso esquece que é esse sistema emergencial que está mantendo o abastecimento em Roraima. Sem o parque térmico, Roraima estaria em uma situação de calamidade, isso porque hoje, Guri não consegue abastecer nem a própria Venezuela quem dirá gerar energia sobressalente para comercializar com o Brasil, aquela que durante muitos anos, alimentou Roraima. As termoelétricas podem não ser o sistema ideal de geração de energia, mas elas estão salvando o Estado do caos e isso é reconhecido pelo atual Governo Federal que já autorizou a contratação de mais 30 Megawats de energia térmica para complementar o abastecimento dos lares roraimenses.

 

Graças a Deus

E isso acontece porque qualquer pessoa com o mínimo de inteligência consegue entende que o Linhão de Tucuruí é uma realidade prevista para meados de 2021. E isso, se não houve uma nova disputa dos órgão de controle que insistem em criar mecanismos para emperrar a obra. Se não fosse esse imbróglio com os índios Wamiri-Atroari, a obra estaria pronta. Afinal, ela foi incluída há muito tempo no plano estratégico de expansão do Ministério de Minas e Energia, teve seu recursos assegurado e até o serviço foi licitado. Ou seja, tudo caminhou como deveria ser até emperrar na discussão com os wamiri-atrori, desafio que o governo Bolsonaro ainda não conseguiu superar, diga-se de passagem. Portanto, o roraimense tem que dar graças a Deus pelas termoelétricas. E se alguém criou outra versão para a história de Tucuruí, é fake news.

 

Façam algo

Já os políticos que financiaram esse movimento deveriam por sua vez, estar cobrando o início imediato da obra. Hoje, não se vê ninguém mais falando sobre isso, a não ser o próprio governador Antonio Denarim que, em abril, fez questão de tratar do tema pessoalmente e, novamente, com o presidente Jair Bolsonaro ambos do PSL. Na reunião emergencial desta terça (30), Bolsonaro citou novamente a urgência que se tem desta obra. Mas, até o momento, as ações nacionais se limitam ao discurso. Localmente, os políticos que representam Roraima seguem apáticos.

 

Fique atento

Com uma eleição municipal se aproximando e com todos os boatos que envolvem uma possível cassação do mandato de Antonio Denarium, tem muita político oportunista criando esses movimentos que nada mais são do que uma plataforma teste para capacidade de mobilização, apoio e visibilidade. O movimento pode ter tido sim, pessoas comuns muito interessadas em lutar por seus direitos, mas originalmente, nasceu contaminado pelos interesses mesquinhos de quem só que se favorecer a custas do próprio cidadão comum. Por isso, o roraimense tem que ter muita atenção ao embarcar nesse tipo de ação, pesquisar quem são os organizadores, pedir transparência em relação a quem financia os materiais usados e principalmente, não se deixar contaminar por ações politiqueiras que só tem como objetivo perpetuar informações falsas. No fundo, os políticos que organizaram esse movimento só estavam preocupados mesmo com as próximas eleições. Infelizmente.

 

Tirou da Reta

É o que se pode dizer do último vídeo divulgado pelo senador Telmário Mota (PROS). Na gravação, ele consegue ser mais incoerente ainda do que o normal. Diz que o filho do presidente Flávio Bolsonaro (PSL) esteve em Pacaraima, criando confusão na fronteira e que isso desencadeou uma reação do ditador Nicolas Maduro. Afirma ainda que o presidente não liga para o Brasil e não tem compromisso com Roraima e por isso, está largando esse assunto "de mão". Pra quem não lembra, contrariando todas as recomendações do presidente, Telmário foi até a Venezuela falar com o ditador Maduro e pedir a reabertura da fronteira. Não deu certo e Telmário criou um tremendo mal estar entre Roraima e Bolsonaro.

 

Advertência

Pelo que se conta, o vídeo de Telmário chegou ao conhecimento do presidente Jair Bolsonaro que, se já estava contrariado com a conversa do parlamentar roraimense com Maduro, se irritou mais ainda depois de ouvir o que Telmário disse sobre seu filho, Flávio. Os mais próximos do presidente afirmam que ele não deixará o episódio passar em branco e que está preparando algum tipo de retaliação para desmoralizar ainda mais o senador roraimense. Apesar de eleito pelo povo, é importante que Bolsonaro saiba que Telmário não representa a população de Roraima. E mais importante ainda, é que o eleitor roraimense aprenda com essa experiência desastrosa a pensar a consequência de um voto mal dado. Telmário ainda tem quatro anos pela frente, isso se Bolsonaro não conseguir derrubar ele antes.

 

Investigado

E será que Bolsonaro sabe que o senador Telmário responde a inquérito na justiça por ter agredido fisicamente e ameaçado uma jovem em Roraima? O caso ganhou repercussão nacional, chamando a atenção da sociedade para o comportamento do parlamentar que, além de ter sido acusado de espancar a jovem, teria iniciado o relacionamento quando a mesma ainda era menor de idade. Infelizmente, a lentidão da Justiça promove a impunidade e contribui para que Roraima seja o Estado mais violento para a mulher no Brasil. A investigação está parada há pelo menos dois aos. Até agora, o processo não foi analisado e Telmário segue fazendo asneira no Senado Federal.

 

 


SEE ALSO ...