Roraima em Alerta

Roraima na rota do tráfego e Denarium se alia a Telmário Mota

080719 RR Alerta


Rota criminosa

Dois fatos curiosos marcaram o fim de semana em Roraima: panes em duas aeronaves que revelaram parte do que todo mundo já suspeitava, os céus de Roraima como rota para o tráfico de drogas, minérios e sabe Deus o que mais. No sábado (6), o Estado virou notícia nacional com a apreensão de 39km de cocaína. O caso segue em investigação, mas informações preliminares confirmam que a aeronave de pequeno porte foi abastecida em Pacaraima, fronteira com a Venezuela, país que enfrenta uma grave crise humanitária.

 

Contrabando

No domingo (7), situação semelhante aconteceu em Caroebe, onde outra aeronave de pequeno porte capotou na pista molhada. Nela foram encontrados 6,5 quilos em barras de ouro. E claro que esses dois fatos só se tornaram de conhecimento público porque as duas aeronaves tiveram problemas no voo. Caso contrário, tanto a droga quanto o outro chegariam tranquilamente aos seus destinos. Nas duas situações, a tripulação foi presa. Lamentável é que eles são apenas a ponta de toda esse esquema criminoso que usa os céus de Roraima como rota. Mais um alerta para a vulnerabilidade do Estado e sua fronteira tríplice e para o desenvolvimento de ações de fiscalização controle e repressão desse tipo de crime.

 

Separa

Uma orientação da Comissão Externa da Câmara Federal que acompanha os impactos da crise migratória em Roraima, recomenda que os presos venezuelanos detido no sistema prisional do Estado sejam separados dos presos brasileiros. A sugestão está no relatório encaminhado pela Comissão e assinado pelo deputado federal Nicoletti (PSL). Ele afirma que a medida é uma maneira de evitar que os presos estrangeiros sejam captados por facções criminosas como o PCC (Primeiro Comando da Capital). A Secretaria de Justiça e Cidadania (SEJUC) chegou a afirmar que os venezuelanos sofriam intimidação por parte das facções e por isso, muitos se viam obrigados a trabalhar para elas. Os dados atualizados mostram que Roraima tem hoje 216 presos de nacionalidade venezuelana e a maioria cumpre pena na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo.

 

Mais um problema

E se as coisas seguirem da forma que estão, daqui a pouco haverá a necessidade urgente de construir uma unidade prisional apenas para atender presos estrangeiros. Isso porque o número de pessoas que atravessa a fronteira, fugindo de todos os problemas causados pela ditadura de Nicolas Maduro, só aumenta. Em Roraima, não há mais condições de absorver essa mão de obra e os abrigos permanecem em sua lotação máxima. Assim, muitos que chegam precisam lutar pela própria sobrevivência e se não encontram uma ocupação digna, ficam mais vulneráveis a cometer delitos criminosos. Portanto, caso alguma nova estratégia não seja adotada para lidar com o aumento crescente de venezuelanos no Estado, a tendência é que mais crimes sejam cometidos e mais estrangeiros sejam presos.

 

Reembolsar

A situação que já é muito delicada na área da saúde e da educação, amplia a gravidade do problema quando se pensa na área da segurança pública. O próprio Tribunal de Contas do Estado pediu que a Sejuc concluísse um levantamento sobre o número de venezuelanos presos a fim de solicitar da União que os gastos feitos pelo Governo do Estado com esses reeducandos fossem restituídos aos cofres públicos de Roraima. É justo e até necessário que isso aconteça, considerando que os impostos pagos pelos roraimenses estão servindo para cobrir o atendimento aos venezuelanos. Lembrando que deveria ser assim na saúde e na educação, onde até as prefeituras dos menores municípios de Roraima estão enfrentando o problema de readequar seu mínimo orçamento para atender aos imigrantes.

 

Comissão

Essa questão de a União reembolsar os serviço é um apelo que vem sendo feito à bastante tempo. A ex-governadora Suely Campos chegou a acionar o Supremo Tribula Federal para solicitar uma quantia conforme estimativa do que foi gasto com atendimento à venezuelanos. Este ano, o governador Antonio Denarium (PSL) retirou a ação, mesmo assinando o decreto que amplia o prazo de calamidade na administração pública por falta de recursos e mais, ampliando por 90 dias o decreto de calamidade na Secretaria Estadual de Saúde, uma das mais afetadas com o aumento na demanda de serviços gerados pela crise migratória. Como não há sinalização de que esse tipo de pedido seja atendido, uma Comissão de vereadores fez uma verdadeira peregrinação em Brasília para pedir pelo menos, que a Operação Acolhida por meio do Exército, assuma a oferta de serviços de saúde aos imigrantes dentro dos próprios abrigos. Isso diminuiria a demanda nas Unidades Básica, no HGR e os custos tanto do Estado e da Prefeitura com a oferta dos serviços. Agora, é esperar para saber se o apelo será atendido.

 

Caos

E o caos na saúde pública continua. Não é apenas a crise migratória, mas também os problemas de gestão que afetam a pasta. Depois que a denúncia dos sorteios para as cirurgias ortopédicas veio à tona, o Governo tratou de enviar uma nota à imprensa para dizer que os procedimentos serão retomados após o dia 9. A questão não é retomada do serviço, mas a capacidade de atender a todos os pacientes que aguardam por esse procedimento. Ou seja: vai ter o pino para todos que precisam? Ou o sorteio realizado no HGR continua valendo? Além disso, a situação só piorou depois que uma foto mostrando um idoso jogado no chão em frente ao Pronto Socorro do HGR circulou nos grupos. Segundo consta, ele teria sido expulso da unidade e permaneceu daquele jeito. Falta material, falta medicamento, falta gestão e pelo visto, também falta muita humanidade no Governo de Antonio Denarium.

 

Juntos e Shallow Now?

Uma foto do senador Telmário Mota (PROS) em reunião com o governador Antonio Denrium deu o que falar. Não faz pouco tempo, Telmário estava divulgando seus famosos videozinhos cheios de criticas ao governador. Em um deles, chegou a afirmar que ira colocar Denarium na cadeia. Agora, os dois aparecem juntos como se nada disso tivesse acontecido. E por mais que o Governo tente, de maneira institucional, justificar o motivo da reunião basta acompanhar a atuação parlamentar infame de Telmário para constatar que ele é um parlamentar que tem muito pouco a contribuir com Roraima. Então, o que levaria os dois a se unir? ELEIÇÕES! Denarium acredita que o processo que responde na justiça não vai dar em nada e que ele permanecerá no governo. Acredita também que é capaz de reverter a imagem negativa que está afetando sua administração e com tudo isso, acredita que pode concorrer a uma reeleição. Em troca, Telmário garantiu o apoio caso venha candidato à Prefeitura, mas principalmente, que Denarium estará na sua campanha para manter seu cargo no Senado Federal. Será que para o governador a aliança com Telmário é um bom negócio? É o eleitor que vai responder em breve, seja com manifestações nas redes sociais ou na hora do voto.


SEE ALSO ...