Últimas Notícias

Bolsas de mestrado e doutorado são suspensas na UFRR; 'governo mata pesquisa e pós-graduação'

Em entrevista ao Roraima em tempo, pesquisadores relatam que se sentem prejudicados e impotentes


Em maio deste ano, a UFRR perdeu mais de 22 milhões em orçamento, após anuncio do MEC. - Divulgação/UFRR

Os cortes de 42,92% do orçamento da Universidade Federal de Roraima (UFRR) começam a surtir efeito na vida da sociedade acadêmica. Ao longo da última semana, mais de 20 bolsas de pós-graduação e doutorados foram cortadas e curso presencial de inglês do programa Idioma sem Fronteiras foi suspenso na instituição.

O professor de letras Raphael Michels, formado pela UFRR, avaliou que a medida prejudica os recém-graduados. Ele foi selecionado para o cargo de professor no programa inglês sem fronteiras, mas não pôde exercer a função, devido ao cancelamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). "Vou atrás de outras formas para me manter", lamentou.

"Fui aceito como professor de língua inglesa, após dois anos sem ter essa seleção na UFRR, porque não havia oferta de edital, por questões administrativas. E, agora, teríamos dois bolsistas. Um pela Capes e o outro institucional. [Contudo] recebemos a notícia essa péssima notícia. Não estou mais vinculado à UFRR, e não estou tão prejudicado quanto alguém que ainda está na instituição que não tem um diploma", comentou.

PESQUISAS

Professor de letras, Roberto Mibieli disse que além dos prejuízos em trabalhos já consolidados, outros pesquisadores também serão prejudicados com os cortes. Segundo o pesquisador, o comércio será afetado em Roraima.

"Trabalho com literatura de Roraima. Embora estas pesquisas não sejam afetadas em curto prazo, existem outros estudantes da área de exatas, saúde e tecnologia que têm projetos ótimos em andamento que serão parados. Quando se fala de bolsa, se fala de movimentação de comercio, pois muitos estudantes sobrevivem somente deste recurso para pagar aluguel, alimentação e transporte", sustentou.

Leandro Timoni é engenheiro agrônomo da instituição de ensino superior. O profissional revelou que o mestrado e doutorado da área de pesquisa dos estudantes orientados por ele perderam sete bolsas de estudos. Já no de iniciação científica não há números específicos.

"Estima-se que deve ser proporcional aos demais no país. Sem bolsa não temos como iniciar ou dar andamento nas pesquisas", declarou.

Ainda de acordo com o professor, a medida prejudica projetos de conclusão de curso, pesquisas de campo e a estrutura de funcionamento das instituições. Ele complementou que as mudanças são uma "perseguição covarde" às ciências humanas.

"O atual governo mata a pesquisa e a pós-graduação no país. A perseguição é covarde com as ciências humanas, como se não houvesse validade nem importância do que produzem, o que é uma grande mentira. Uma sociedade técnica sem desenvolvimento social humanístico não se desenvolve. É extremamente desanimador saber que as nossas lideranças não têm o pensamento multi e transdisciplinar. Hoje em dia, qualquer tipo de pesquisa unilateral e monocromática não atinge a sociedade", criticou Timoni.

CAPES

Na última quarta-feira (9), o presidente da Capes, Anderson Correia, afirmou que todas as bolsas que estão em andamento serão pagas. Entretanto, não houve esclarecimento sobre a possibilidade de novas vagas para pesquisadores.

Segundo o portal da Capes, 1.224 bolsas são consideradas pelo presidente como 'ociosas' de programas com nota 6 e 7, conceitos mais elevados na avaliação da CAPES, serão reabertas para serem ocupadas.

No total, foram cortadas 4.789 bolsas, com a justificativa de que não estavam sendo utilizadas no mês de abril deste ano.

UFRR

De acordo com a UFRR, o bloqueio das verbas de custeio e investimento, anunciado pelo Ministério da Educação no dia 30 de abril foi de R$ 22.111.731,00 milhões. A previsão orçamentária da UFRR para 2019, anterior ao bloqueio, era de R$ 51.521.316,00 ficando um montante de R$ 25.806.685,00 para custeio e de R$ 3.602.900,00 para investimentos, excluindo o pagamento da folha de pessoal.

SEE ALSO ...