Coluna Roraima Alerta

Opinião: Deputados de olho na eleição?

Os discursos feitos na tribuna da Assembleia Legislativa nessa terça-feira (2) mostram que ao invés de se preocuparem com a condição da saúde de Roraima, alguns deputados só pensam em como se manter no poder


MORTES

Roraima chegou a 1.117 mortes por Covid-19 nessa terça-feira (2). Chama atenção ainda que no Boletim, o Governo do Estado afirma que 109 mortes seguem em observação. É um número muito alto que justifica a observação feita pelo prefeito Arthur Henrique (MDB) sobre a necessidade do Estado melhorar a apuração das informações sobre a pandemia, dando condições para que especialmente, a Prefeitura de Boa Vista planeje as ações de combate à pandemia com mais segurança. A demora nessas confirmações não vem de hoje. Desde o começo da pandemia, são muitas as reclamações e até dúvidas sobre como a Secretaria de Estado da Saúde lida com esses dados. Não faltam recomendações de órgão de controle para que o Governo atue com mais transparência. Porém, o resumo de tudo isso é o retrato de que a pandemia continua grave em Roraima e que há muito ainda a ser feito, especialmente na Saúde Estadual para conter o avanço dessa doença tão traiçoeira.

LEITOS

O balanço de ocupação de leitos em Roraima mostra que a situação está longe de ser confortável. Apesar da ocupação dos leitos de UTI ter apresentado uma pequena redução, a margem ainda está longe do que pode ser considerado seguro para um Estado que confirmou nas últimas 24 horas, 395 novos casos da doença. Hoje, por exemplo, 100% dos leitos clínicos destinados para pacientes com agravo da covid estão ocupados. Ontem, familiares de um paciente relataram ao Portal que um de seus familiares deu entrada por volta do meio-dia e só após às 15h recebeu uma assistência médica no próprio corredor do Hospital Geral de Roraima. Não havia leito disponível para o atendimento. O que a população questiona diante disso é para onde foi todo o dinheiro que o Governo Federal, na figura do próprio presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido), afirma ter enviado para o Estado? Segundo divulgado, foram mais de R$ 5 bilhões só para Roraima. E caso o governador Antônio Denarium (Sem Partido) não concordasse com essa informação, deveria ter assinado a carta dos governadores que contestaram os dados apresentados por Bolsonaro. Ele não fez isso, portanto, será cobrado R $5 bilhões conforme divulgado pela União.

COBRANÇA

Falando ainda em cobrança. Ontem, motoristas de aplicativo e outros porfissionais que atuam com transporte fizeram mais uma manifestação para cobrar de Denarium uma posição sobre a redução do ICMS de gasolina e diesel em Roraima. Eles não aguentam mais ouvir do Estado que a regulamentação desses preços é feita pelo Governo Federal e nem que uma possível redução de ICMS teria que ser discuta no Confaz. A questão é que Denarium acabou de enviar para a Assembleia três projetos em que abre mão de uma boa fatia de arrecadação do ICMS. Se ele pode beneficiar outros setores, por que não fazer isso para milhares de pais e mães de família em Roraima que estão sendo impactados pelo preço absurdo do litro de gasolina?

PREJUÍZO

Um economista falou ao Roraima em Tempo que calcula que o Estado possa perder o equivalente a R$ 1 milhão com as três medidas econômicas. Ele também alerta que esse tipo de redução gera impactos para os municípios que tem nos repassaes do ICMS estadual uma importante fonte de recursos. Além disso, o correto seria o governador apresentar um plano de compensação. Como em meio a uma crise de saúde pública o gestor estadual abre mão de arrecadar R$ 1 milhão? Esse é um dinheiro que é pago pelo consumidor, embutido no preço dos produtos e serviços das empresas beneficiadas com as novas reduções e isenções propostas por Denarium. Ou seja, o Estado perde dinheiro, as empresas ficam mais ricas e o povo fica ainda mais pobre.

TEIMOSIA

Seria teimosia da parte de Denarium não atender ao apelo de pais e mães de família de Roraima para a redução do ICMS de gasolina e diesel? Para as empresas de aviação, a redução foi de 17% para 3%. No caso das empresas de energia renováveis que participaram de um leilão, ou seja, brigaram para ganhar o contrato, a redução representa 85% do ICMS cobrado a elas. E por fm, mais de 100 itens de material médico-hospitalar que estão entre os mais usados nessa pandemia, ficaram isentos do ICMS. No projeto feito pelo Governo do Estado, não há nenhum dispositivo para garantir que a redução do imposto seja repassada aos consumidores finais. Resumindo: as empresas vão lucrar mais, porque não precisam pagar o imposto, mas ninguém garante que os preços praticados por elas ficará mais barato. Desta forma, o prejuízo para Roraima pode ser ainda maior. Romero Jucá, ex-senador de Roraima, foi o único político até o momento que se posicionou em defesa da população. Os demais, amigos de Denarium, permanecem calados.

LEMBRETE

Aliás, Denarium parece ter formado uma base fiel de deputados estaduais para o pleito de 2020. Enquanto uns dizem que ele será candidato ao Senado e ele mesmo afirma que tentará a reeleição, muita gente diz que ele não ganha devido às decepções que causou no eleitor com as medidas de governo. Entre as mais criticadas está a entrega da Saúde Estadual nas mãos de Jalser Renier (SD). Enquanto o secretário indicado pelo deputado estadual permanecer no cargo, há influência de Jalser na saúde. E pela história do deputado, todo mundo sabe como funciona essa influência. É só lembrar que a última acusação feita a Jalser pela justiça de Roraima dá conta que ele usou uma empresa contratada pela Assembleia Legislativa para construir um posto de gasolina para a própria esposa, além de uma varanda e uma área de lazer dentro do terreno da mansão na beira do Rio Branco. É esse tipo de influência que muita gente acredita estar acontecendo na Saúde Estadual, nas mãos de Jalser.

ELEIÇÕES 2022

Voltando ao tema central desta edição, o deputado Jânio Xingu, que em 2020 foi um dos que assinou o pedido de impeachment contra o governador Antonio Denarium, falou ontem na Assembleia Legislativa sobre sua preocupação com as eleições de 2022. Na verdade, ele deu um puxão de orelha em Denarium, que segundo ele não está ouvindo os deputados e beneficiando mais um ou outro nos seus acordos. O que Denarium prometeu para Xingu, ninguém sabe. Mas, ficou claro que o governador está devendo. Como ficou claro também que, de certo modo, os deputados estaduais não estão preocupados com a saúde de Roraima, com as mortes por covid, com a segurança pública, com os impactos da pandemia na educação ou seja lá qual for o problema enfrentado pela população do Estado.

ESTRANHA

Gente igual ao Xingu só pensa em si mesmo e em como se manter no poder, por isso, fez um discurso todo pautado nas suas preocupações com as eleições de 2022. É bem estranha essa postura. Tão estranha que até a sua colega de parlamento, a deputada estadual Aurelina Medeiros se manifestou dizendo que não era a hora de falar sobre o tema. A população pede e precisa de ajuda. Pensar nas eleições é um desrespeito ao sofrimento do povo.

GASOLINA

E nos grupos de whatsapp o senador Mecias de Jesus (Republicanos) também foi cobrado pelo preço da gasolina, isso porque, ele, os filhos e a esposa são donos de uma grande rede de postos de combustível em Roraima. Numa das publicações compartilhadas, o destaque era ainda para o fato de que todos os filhos empresários de Mecias também são servidores públicos do Estado, lotados em órgãos, secretarias e até na Assembleia Legislativa com bons salários. Como eles conseguem conciliar os cuidados com a rede de postos de combustível e a rotina como servidores públicos é um mistério. Há quem diga que eles deveriam dar palestras sobre gestão de tempo, descrevendo essa "receita de sucesso". A verdade é que a gasolina aumenta e eles lucram com isso.

SOLIDARIEDADE

A equipe do Roraima em Tempo manifesta sua solidariedade ao jornalista e editor-chefe deste veículo, Josué Ferreira, que perdeu seu irmão, Jessé Ferreira para a covid nessa terça-feira (2). Enquanto equipe, acompanhamos sua peregrinação, esforço e dedicação para garantir um suporte de qualidade dentro da estrutura da saúde estadual. Jessé chegou a ser transferido por duas vezes, saindo do HGR para o Hospital de Retaguarda e retornando, após agravo em seu quadro clínico para o HGR onde precisou ser intubado. Na ocasião, a Unidade não dispunha de bombas de infusão, que foram providenciadas após reclamação da família. Jessé conseguiu então receber o atendimento especializado, mas seu organismo já debilitado pela doença não reagiu aos efeitos do coronavírus e infelizmente ele se tornou mais um na triste estatística de vítimas da pandemia em Roraima. Ao querido Josué e sua família, o nosso carinho e pesar. 

PERGUNTINHA:

  1. Qual a dificuldade de Denarium para reduzir o ICMS da gasolina e do diesel em Roraima?
  2. O senador Mecias teria como explicar a rotina dos filhos empresários e servidores públicos estaduais?
  3. O que fez Xingu mudar de opinião sobre o governador Denarium? Se antes ele queria o impeachment do governador, como agora se apresenta como seu fiel aliado?

PENSAMENTO DO DIA

"É só dos sentidos que procede toda a autenticidade, toda a boa consciência, toda a evidência da verdade" - Friedrich Nietzsche