Coluna Roraima Alerta

Opinião: insegurança vivenciada em Roraima e a determinação da Justiça Eleitoral para ex-senadora


INSEGURANÇA

O sentimento de insegurança no estado tem sido vivenciado por cada cidadão diariamente. Sair de casa parece uma atividade nada normal para Boa Vista, a menor capital do país. Mas por que isso ocorre? Somada à migração venezuelana, a falta de investimentos no setor está levando Roraima a índices alarmantes, que mostram o quanto a intervenção do Poder Pública precisa ser urgente e eficaz. O Anuário Brasileiro revelou que os gastos com a segurança reduziram em 8% no último ano. Ao que tudo indica, o governo está num labirinto e não sabe para onde ir. Os caminhos não são bem desenhados pela gestão e quem paga o preço disso tudo é a sociedade. Como sempre...

INFORMAL

Informalmente, uma delegada da Polícia Civil disse que os casos de roubo e furto se tornaram bastantes comuns na delegacia. Em média, uma pessoa que foi presa, passou pela audiência de custódia e foi solta, volta à delegacia pelo mesmo crime três dias depois. Os próprios agentes confirmam essa teoria e condicionam a conversa ao 'a tendência é piorar'. Como falar em redução da criminalidade se os eventos diários são o outro lado da moeda? Parece que o govenador vive numa bolha segura, sem estar atento a todos esses entraves da segurança. Tem guarda-costas, carro protegido... Afinal, ele é o governador. Deputados também não temem tanto assim. Faz parte das regalias de ser político.

AUDITORIA

Em meio a esse imbróglio, o governo traz uma mensagem de aproximação. Entenda... o secretário de Segurança Pública, Coronel Olivan Junior, se reuniu com a Conselheira e Presidente do Tribunal de Contas do Estado de Roraima (TCE-RR), Cilene Lago Salomão, na última segunda-feira. O pedido do representante? Uma auditoria do órgão "com a finalidade de otimizar a governança e transparência da gestão", escreve a Secretaria. Coincidência ou não, dias atrás o Ministério Público de Contas fez o mesmo pedido ao TCE: fiscalização nos contratos da Sesp devido ao aumento exacerbado da criminalidade em Roraima. Ao que tudo indica, o governo tenta alinhar o discurso de transparência em meio ao vendaval da impopularidade.

NA ASSEMBLEIA

A 'bancada da bala' de Roraima, como diz o deputado Nilton do Sindpol, tem sido ferrenha quanto às críticas à segurança. Na semana passada, o deputado Jânio Xingu pediu aparte de Chico Mozart para criticar a insegurança no estado. Ele se lembrou do caso da adolescente de 15 anos, morta no 'tribunal do crime', numa acirrada disputa entre as organizações criminosas. Jânio disse que não se pode permitir que tais situações se tornem comuns em Roraima e pediu providência ao governo. Inclusive, Xingu tem feito críticas ao governo, o que, segundo fontes, seria uma queda de braço por cargos na estrutura comandada por Denarium. Parece ter conseguido. O que precisa ser relembrado é que há três deputados da segurança na Assembleia, mas nada anda quando o assunto é priorizar a área.

EXPLICAÇÕES

O governo tentou, ontem, explicar o porquê de ter mandado um projeto de lei complementar para criar 32 cargos em comissão na Infraestrutura. "Investir em infraestrutura e trazer melhores condições para população é foco da gestão do Governo de Roraima", afirma o Executivo. Seria para colocar pessoas próximas? Sabe-se que o Estado está em crise financeira e a previsão para o próximo ano não é lá muito boa: déficit de R$ 1,4 bilhão. O projeto causou reboliço no meio dos servidores e as críticas foram ainda mais fortes dos efetivos. Cancelamento de concursos e ações no Supremo Tribunal Federal (STF) têm feito a relação do governador com os funcionários públicos fica estremecida. Dá tempo de virar o jogo.

PERDEU

A ex-senadora Ângela Portela foi intimada pela Justiça a pagar a multa de R$ 10 mil por crime eleitoral cometido no pleito passado, quando foi derrotada e ficou em quarto lugar para o Senado Federal. O juiz determinou que ela pague os valores em até 30 dias e apresente o comprovante. Caso não cumpra, o nome ficará sujo junto à União. A senadora, conforme consta no Diário da Justiça Eletrônico, foi condenada por propaganda irregular. Ela ainda tentou recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para derrubar a multa, mas acabou sendo vencida pelo Pleno. Agora, ela terá de pagar os valores. Vale lembrar que ela parcelou uma multa eleitoral de R$ 5 mil em 60 vezes, mesmo tem um patrimônio de quase meio milhão de reais. Vai entender!

FALTA DE APOIO

A prefeita Teresa Surita fez questão de enfatizar no discurso de inauguração do novo prédio da Secretaria de Segurança Urbana e Trânsito, que não tem apoio da bancada federal de Roraima. Aliás, lembrou ainda que os parlamentares tiraram R$ 30 milhões de emenda que seriam usados para obras importantes na capital. Teresa frisou que o ex-senador Romero Jucá trabalha mais do que quem está lá, liberando recursos e ajudando Boa Vista a continuar no patamar que está. "Diante de tudo isso [problemas enfrentados pela prefeitura] é importante dizer que, desde janeiro desse ano eu não tenho apoio de nenhum deputado federal, de nenhum senador", disse. Se antes tinha Romero Jucá, hoje esse cenário é um pouco mais delicado. Mas vamos torcer para que mude.


SEE ALSO ...