Coluna Roraima Alerta

Opinião: Senador deixa rastro de indícios de irregularidades na Saúde Indígena

Mecias de Jesus (Republicano) é alvo de denúncias que vão de superfaturamento de produtos e serviços, até a anulação de concorrências realizadas para a contratação de voos


SEMPRE ELE I

Com os bens na berlinda e tentando de todo jeito segurar o julgamento de três processos que responde no Tribunal Regional Federal 1 (TRF-1) e que devem torná-lo inelegível, o senador Mecias de Jesus (Republicano) continua a armar confusões que lhe darão mais dor de cabeça. A última jogada ocorre no Distrito Sanitário Yanomami, que comanda e teima em patrocinar supostas irregularidades. Mecias havia nomeado o último dirigente do Dsei. Acontece que, devido à periculosidade das ações, ele não aguentou e correu. Ficou respondendo um substituto que tem ligações familiares com o senador. Informada desses indícios de irregularidades, a Secretaria de Saúde Indígena articulou a nomeação de alguém técnico, que corrigisse os desmandos. O senador conhecido como milagreiro, devido à multiplicação dos seus e dos bens da família, saiu ameaçando Deus e o mundo. Esbravejou no Palácio contra quem quer moralizar a atuação do Dsei em Roraima, mas o General Ramos não sabe da gravidade das acusações. Fontes da Coluna relatam fatos de alta periculosidade.

SEMPRE ELE II

As denúncias vão de superfaturamento de produtos e serviços, até a anulação de concorrências realizadas para a contratação de voos. Não conseguindo entendimento com a empresa vencedora, que por conta da tentativa de achaque encaminhou denúncia ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Mecias teve o disparate e a petulância de encaminhar por escrito um pedido de não pagamento dos valores devidos à Voare, empresa roraimense. A contratação da empresa Piquiatuba, que voa hoje para o Dsei com valores mais altos e sem licitação, recebendo por indenização sem nenhuma explicação. A confusão vai mais além, porque indígenas denunciam a utilização de pistas do Dsei Yanomami para atender garimpeiros. Esse quadro explosivo dorme em gavetas da Sesai que, ao tomar conhecimento desses fatos gravíssimos, da postura do senador Mecias e do desleixo que ocorre no Distrito, e não tomar providências imediatas, assume também a responsabilidade pela omissão. Mas fica vulnerável a um processo no mínimo de prevaricação. Proteger Mecias não dá um bom futuro. O senador comandou a Saúde nos governos Neudo e Suely Campos. Neudo está preso e Suely processada. Os índios Yanomami podem ficar nas mãos do réu Mecias de Jesus? Com a resposta, a Secretaria de Assuntos Indígenas e a Polícia Federal.

RAPIDINHO

- Cinismo: o deputado federal Nicoletti (PSL), continua defendendo que a Prefeitura de Boa Vista faça a infraestrutura de um loteamento privado, onde os empresários venderam os terrenos sem cumprir com as responsabilidades. Nicoletti gravou um vídeo cobrando e dizendo que vai fiscalizar. O deputado não disse na politicagem, que não colocou em 2019 e 2020 um tostão para a Prefeitura de Boa Vista realizar qualquer obra.

- Passando: Está passando da hora do senador Telmário Mota (Pros) ser responsabilizado pelas agressões e ataques que distribui irresponsavelmente todos os dias a todos que, segundo ele, lhe desagradam. A imunidade parlamentar existe para garantir o exercício da democracia, mas não é passaporte para garantir leviandades e mentiras. Tanto não é, que o ex-senador Romero Jucá (MDB) tem conseguido condenar o arruaceiro por calúnia e difamação. Jucá tem recebido todos os meses, parte do salário de Telmário.

- Dividida: a bancada de senadores de Roraima votou ontem dividida. O senador Telmário votou a favor de vender empresas como a Caer. Já o senador Mecias, votou por manter a Caer sem vender, quer dizer, manter sob o comando, pois não quer perder o controle. A Companhia de Águas e Esgotos de Roraima teve nos últimos anos a rede de esgoto da capital bastante ampliada. Obra iniciada e contratada pelo então governador Anchieta Junior, com recursos liberados pelo ex-senador Jucá e pelo ex-deputado Márcio Junqueira. A Caer é um patrimônio do Estado, mas não deveria ser administrada como se fosse um patrimônio da família do político.

- Pouco: o governador Antonio Denarium (Sem Partido) está distribuindo às famílias de alunos da rede estadual uma cesta de alimentos que contém dois quilos de arroz, quatro pacotes de biscoito e duas latas de sardinha. Pela necessidade das pessoas, a quantidade entregue é considerada pouca. O governador está sentado em milhões de reais. Pode ou não melhorar essa cesta?

- Trabalho: a Prefeitura de Boa Vista continua com serviços e obras importantes para a capital. Hoje, a prefeita Teresa Surita (MDB) entrega a avenida Carlos Pereira de Melo completamente reformada, com drenagem, asfalto novo e iluminação moderna de LED. A obra foi realizada também com recursos liberados pelo ex-senador Romero Jucá, através de convênio federal. O trabalho foi realizado em etapas para gerar o menor incomodo possível, porque a obra precisava interromper o trânsito em cada trecho.

- Criatividade: Realmente as redes sociais são um ambiente de muita criatividade. Circulou ontem uma postagem com vídeo do senador Telmário atacando pessoas, como sempre faz. Mas, os internautas editaram o áudio e ao invés da fala repetitiva do senador entraram cacarejos. Ficou muito engraçado e até verdadeiro. Porque Telmário cacareja nas redes o tempo inteiro.

- Faltando: a saúde do Estado é só problema, independente da direção que se observe. Agora, os cardiopatas são os que reclamam atenção. O exame de ecocardiograma não está sendo feito pelo Estado. Também não estão sendo realizados eletrocardiogramas. Como ficam os pacientes com problemas no coração?

- Nem Ele: que o enquadramento dos servidores do Ex-Território de Roraima está muito devagar, todo mundo sabe. Mas que a bancada federal está cada dia perdendo o pouco prestígio que tinha nesse assunto, pouca gente sabe. Ontem, foi dada a certeza disso. Depois de cobrar timidamente o andamento do processo, o senador Telmário e o deputado federal Hiran Gonçalves (PP), receberam um troco da Comissão. Na publicação de uma ata que só aprovou o enquadramento de duas pessoas, Telmário e Gerlane Baccarin, esposa do deputado Hiran, tiveram pedidos indeferidos. Comentário dos servidores que aguardam o processo: "Se eles não cuidaram nem deles, imagine de nós". Outro arrematou com a seguinte pergunta: "Será que eles vão dizer também que é culpa do Jucá?". Ambos comentários têm lógica.

- Calendário: o senado Federal aprovou a nova data das eleições municipais em todo o país. A Câmara dos Deputados deverá referendar até a próxima semana também. Assim, o primeiro turno ocorrerá no dia 15 de novembro, aniversário da República, e o segundo turno no dia 29 de novembro. Em decorrência, teremos os seguintes limites de datas:

11 de agosto - data final para apresentação de radialistas e apresentadores de TV. Também prazo final de eventos com a participação dos pré-candidatos.

De 31 de agosto até 16 de setembro - realização das convenções

26 de setembro - último dia para registro de candidaturas

27 de setembro - começa a propaganda eleitoral gratuita