Coluna Roraima Alerta

Troca de farpas entre políticos e não envio da reforma administrativa do governo de RR


- Agência Brasil

ÂNIMOS ACIRRADOS

Depois que o deputado estadual Renato Silva (Republicanos) criticou a gestão de Mariana Poltronieri na Junta Comercial, chegando a afirmar que havia indícios de irregularidades, o vereador Idázio da Perfil (PP) tomou as dores do caso. Alegando uma grande proximidade e relação de amizade com o empresário Antonio Parima, marido da titular da Junta que teve o nome rejeitado pelos deputados, Idázio reclamou da postura dos deputados e cobrou que houvesse averiguações mais aprofundadas antes dos deputados proferirem acusações.

INDIRETA RECEBIDA

A indireta proferida por Idázio foi recebida pelo deputado Renato Silva que prontamente respondeu os fatos afirmando que Parima faz parte de um grupo que deve milhões ao Governo em sonegação de impostos. Exaltado, o parlamentar afirmou que vai solicitar a implantação de uma CPI da sonegação, onde o principal alvo com certeza está definido: será Parima.

ESPECULAÇÕES

Bastou a troca de acusações chegar ao conhecimento público que muitos passam a especular os motivos que levaram Renato a manter uma postura tão rígida em relação a um dos maiores apoiadores do governador Antonio Denarium (PSL). A aposta maior está no fato de que os deputados pleiteiam direcionar a indicação para o comando da JUCERR, algo que já teria sido discutido com Denarium em várias ocasiões. Porém, o gestor estadual não teria dado a devida consideração ao fato, arcando agora com a negativa dos deputados que forçam uma decisão no sentido de afastar Mariana e colocam Denarium em uma saia justa com um dos principais financiadores da sua campanha.

O QUE VEM?

Pressionado, o governador deve buscar um outro nome que seja melhor recebido pelos deputados, o prazo para isso está se esgotando. Ainda assim, Mariana deve permanecer na estrutura administrativa do Governo do Estado, sendo aproveitada em outra função, afinal isso é parte do acordo delineado por Denarium e Parima desde que a candidatura do atual governador começou a ser construída. O favorecimento e até em alguns casos, a interferência de amigos empresários, tem pesado negativamente na imagem do governo, fato que também foi evidenciado na crítica feita pelo vice-governador, Frutuoso Lins. A decisão em relação do futuro de Mariana pode servir como novo combustível para a história de que Denarium só favorece os grandes empresários. É aguardar o que vem por aí?

ECONOMIZOU NAS PASSAGENS

Apesar de manter contratos com altos valores, questionados pela população, para a aquisição de passagens aéreas o Governo do Estado negou a doação de passagens para alunos que foram destaques nos Jogos Escolares. Os pais reclamaram e fizeram campanha, afirmando que foi gerada uma expectativa nos filhos em relação à possibilidade deles representarem o Estado nas demais etapas da competição. Na tarde desta terça-feira (10), alunos organizaram um protesto em frente ao Palácio do Governo em busca das passagens negadas.

E A REFORMA ADMINISTRATIVA

Apesar de reclamar de um arrocho financeiro e de viver pedindo dinheiro em Brasília, Denarium ainda não entregou a proposta de Reforma Administrativa do Governo. Essa foi uma promessa que ele fez ainda em campanha e que ganhou reforço no seu trabalho como interventor. Na época, ele foi categórico ao afirmar que "o Estado precisa diminuir", ou seja, era necessário enxugar a máquina pública. Mas, parece que para atender aos interesses de seus apoiadores, o governador afrouxou completamente.

ACOMODAR OS ALIADOS

Não é à toa que existem denúncias sobre a criação de cargos feitas de maneira irregular dentro da CAERR, e que a mesma sirva de exemplo do uso da estrutura pública para atender aos apoiadores de Denarium. É na CAERR que estão lotados os genros do senador Mecias de Jesus (Republicanos). Mesmo que um seja dentista e dono de quatro postos de gasolina, ainda arrasta dos cofres estaduais mais de R$ 12 mil por mês. No total, os dois genros de Mecias custam mais de R$ 20 mil por mês ao Estado.

ONDE ESTÁ?

Roraima passou a figurar novamente como um dos Estados mais violentos do Brasil e isso acontece, meses depois de o próprio governador dizer que houve redução no número de homicídios. Mas, enquanto seus genros e outros apadrinhados de Mecias seguem com a vida boa, literalmente, mamando nas tetas do governo, a população sofre com o medo da violência crescente. E onde está o senador Mecias nisso tudo? A resposta veio das fofocas de bastidores. Ao que tudo indica, o parlamentar aprendeu com a enteada o gosto pelas viagens glamourosas, semelhantes a que o genro lotado na CAERR conseguiu fazer com menos de um ano de contrato na firma, e estaria gozando da vida boa em Nova York. Muito chique! O problema é que enquanto Mecias faz sua segunda viagem de férias internacional em menos de um ano (ele já foi pra Jamaica em junho), Roraima sofre e se afunda em problemas que ele deveria estar ajudando a resolver. Será que o eleitor já se arrependeu?

PROTAGONISTA DA VERGONHA

Mais uma vez o senador Telmário Mota (PROS) coloca Roraima em evidência negativa no Senado Federal. Ao participar de uma comissão que analisava a indicação do diplomata Lineu Pupo de Paula, para a embaixada brasileira na Bósnia e Herzegovina, o senador se incomodou com a presença de Romero Jucá, presidente Nacional do MDB. Semelhante a um galo velho, sem nenhuma compostura ou o mínimo de educação, Telmário passou a ofender o ex-parlamentar e depois de protagonizar mais uma cena grotesca para seu currículo, se retirou da sessão. O presidente da Comissão, o senador Nelsinho Trad (PSD), ainda pediu que Telmário ponderasse em suas palavras, informando que Jucá é amigo pessoal de Lineu, estando ali à convite do mesmo, mas não teve jeito. Ao adotar essa postura, Telmário ofende os roraimenses que o elegeram, causa vergonha ao Estado e não ajuda em nada na busca de soluções para o que Roraima realmente precisa. O Senador deveria poupar seus pulmões para brigar pelo enquadramento, ou por mais investimentos na segurança pública de Roraima, por exemplo, isso seria louvável. Mas, se incomodar com Jucá, só demonstra o quanto Telmário é instável e desequilibrado, uma vergonha para Roraima. Em tempo: Jucá ficou enquanto Telmário abandonou mesmo a sessão, ele pode responder por quebra de decoro. A sabatina de Lineu Pupo confirmou a capacidade do diplomata para o novo cargo. Antes, Pupo atuava na embaixada da Guiana, país que pode contribuir muito com o desenvolvimento de Roraima, pena que Telmário não sabe disso.