Notícias Locais

Mulheres com câncer de mama fazem exposição de obras em alusão ao Outubro Rosa

As obras têm o apoio do artista plástico Edinel Pereira que auxilia as novas artistas a desenvolverem o trabalho


Essa é a terceira exposição realizada pelo grupo Girassol que ficará aberta até 31 de outubro - Fabio Calilo/Roraima em Tempo

O grupo Girassol é formado por mulheres que estão em tratamento ou que já venceram a luta contra o câncer de mama. E este mês, famoso pela conscientização contra a doença, é marcado pela campanha "Outubro Rosa". Pacientes aproveitaram a oportunidade e montaram uma exposição de arte no shopping do bairro Caçari com peças produzidas por elas mesmas em formato de mosaico,  contando com  a ajuda do artista plástico Edinel Pereira.

Lumah Magalhães foi diagnosticada com câncer de mama em 2013. Ela disse que foi nesse momento difícil que conheceu o grupo Girassol, ressaltando que em todos os anos é realizada alguma atividade em alusão ao Outubro Rosa.

Para ela, o grupo é muito importante no tratamento e na autoestima das pacientes.

"Eu acredito que é muito bom pra gente que chega lá no grupo com algum problema, que acaba passando quando a gente está desenvolvendo essas atividades. É uma terapia. E para quem está em tratamento, é ainda melhor, pois o tempo passa mais rápido", relatou.

As obras têm o apoio do artista plástico Edinel Pereira que auxilia as novas artistas a desenvolverem o trabalho. Ele contou que entrou no projeto há três anos, após prestigiar uma exposição de fotografias organizada pelo grupo.

"Eu tive problemas com câncer na minha família, meu pai e outros parentes. Quando elas vieram fazer uma exposição de fotografias aqui no shopping há três anos, eu me encantei com esse projeto e decidi levar um pouco dessa terapia que é o artesanato. E nesse tempo estamos desenvolvendo esse trabalho com a arte", reforçou.

Os trabalhos com as pacientes começam em junho e vão até outubro, data da exposição. Para Edinel Pereira, o artesanato se transforma em uma terapia.

"A arte é uma terapia e ajuda muito. Muitas, no início, acham que não vão conseguir. Depois que elas conseguem, se descobrem, e cada uma quer produzir mais. Outras têm mais ideais. Elas esquecem um pouco desse processo por que estão passando e começam a desabafar e colocar nos seus trabalhos o sentimento", disse.

O sentimento de Lumah Magalhães, que já superou o câncer, mas mesmo assim continua no grupo, é de orgulho. Ela passa sua experiência para outras mulheres diagnosticadas com a doença.

"A minha obra representa muita coisa. Fizemos um mosaico e cada pedaço que tem ali representa alguma dificuldade da nossa vida. Quando descobri, eu corri para o médico. Então, eu passo para as mulheres que façam o autoexame direitinho, que corram para o médico se notarem alguma coisa. A prevenção é tudo. Porque se você tiver 1% de cura, tem que correr atrás", reforçou.

A exposição ficará disponível à visitação até 31 de outubro no shopping do bairro Caçari.