Questão de Opinião

Penca, cacho e palma. Vivendo e aprendendo!


O colunista Ulisses Moroni

ULISSES MORONI*

Estou prestes a completar 50 anos e já levo um bom tempo da minha idade comendo bananas. E alguns desses anos comprando essa fruta. Creio mesmo que uma das primeiras compras que fiz foi... bananas! Sempre por quilo, porém me recordo de também comprá-las por dúzia, mas a penca é um nome  que conheço bem e que há muito me acompanha com uma simples definição: é um monte de bananas, não importa quanto pesa e nem quantas frutas tem.  Boto uma quantidade num saco e levo ao caixa. Ali ele pesa e daí eu pago. Nunca me preocupei muito com o preço, sempre foi um produto barato. Lembram-se da expressão "A preço de banana"?
Uma mercearia lá perto de casa vende bananas. Parei para comprar e a pessoa que me atendeu perguntou quantas palmas eu queria. Acrescentou que também vendia o cacho.  Não entendi a conversa. Pedi meio quilo e o vendedor alegou que estava sem balança. Vendia por palma e por cacho apenas.

Senti que ele tentava se fazer entender e então lhe pedi para me explicar o que são exatamente cacho e palma. Notei em sua face uma expressão de estranheza, espanto, incredulidade até. Tipo: "O senhor só pode estar brincando!". Bom, para ele podia ser óbvio, todavia para mim não! O sujeito me explicou: a palma é aquilo que eu chamo de penca, a seção que, com outras tantas, forma o cacho. Já o cacho e a extensão que sai do caule da bananeira, com um umbigo do qual vão nascendo as florescências que, polinizadas, se transformam em palmas.

Ele usou um método de ensino meio que audiovisual, tomando como exemplos vários cachos com palmas de banana prata, nanica e maçã. Vendo que conquistara minha atenção, informou que aquelas frutas não eram do Sul de Roraima, região de grande produção, pois as de lá geralmente vão direto abastecer o mercado de Manaus.
As que ele vendia eram daqui da região de Boa Vista. Como se trata de um produto que tem muita saída tornou-se comum as propriedades rurais terem plantados uns 80 a 100 pés de banana para renda extra. Esclareceu que ele as comprava em uma feira, que por sua vez era abastecida pelos atravessadores, pessoas que compram bananas dos produtores para revender aos comerciantes.

Foi uma tremenda aula. Já vi muitos e incontáveis pés de banana, mas nunca havia me interessado em saber como as frutas se forma, saem da plantação e qual percurso fazem até a venda. Peguei muitos cachos nestes meus quase 50 anos, mas nunca os olhei bem, com maior atenção. Achava que tudo se resumia a um monte de bananas penduradas. Até aquele dia.

Pedi três palmas, paguei e fui embora. Fiquei satisfeito: as bananas estavam ótimas! Descobri uma nova opção de compras e conheci um sujeito bacana. Entretanto, o mais animador foi o choque que ele deu nas minhas verdades absolutas. Aprendi que nunca sabemos tudo sobre algo, sempre surge uma nova imagem para ilustrar o quadro que julgamos pronto. Vivendo e aprendendo!

*O autor é promotor de Justiça.


SEE ALSO ...