Roraima em Alerta

Suspeitas na Saúde e Telmário está preocupado com galos de briga

140819 RR Alerta


 

Onde há fumaça

A Coluna repercutiu aqui denúncias sobre os contratos emergenciais feitos pela Secretaria Estadual de Saúde que teriam sido formalizados com empresas que não possuem registro junto a ANVISA. As notas fiscais chegaram a ser publicadas em grupos de whats, dando conta do volume de recursos aplicados em operações que levantaram suspeitas e que precisam ser acompanhadas de perto pelos órgãos de controle e fiscalização.

 

 

Há fogo

Para esclarecer os fatos, a secretaria Cecília Lorenzon convocou coletiva de imprensa, segundo ela como um recursos para dar maior transparência a esses processos de compras emergenciais que atendem às demandas da pasta. O objetivo maior, segundo ela, foi esclarecer o mandato de segurança impetrado pela empresa Síntese Comercial Hospitalar. Na ocasião, a Justiça decidiu pela concessão da liminar e suspendeu o processo de licitação da Sesau até o julgamento. O desembargador responsável pelo caso, teria informado nos autos que há um procedimento de dispensa de licitação que também abrangeria a aquisição de materiais. No entendimento do judiciário, a determinação da suspensão do procedimento não acarretaria prejuízos à população.

 

 

Pode

As compras emergenciais estão permitidas devido ao decreto de calamidade instituído pelo governador Antonio Denarium (PSL) na saúde pública estadual. O primeiro ato foi assinado ainda em fevereiro, quando conflitos foram registrados na fronteira do Brasil com a Venezuela. Na época, o Hospital Geral de Roraima chegou a receber pacientes feridos nesses confrontos, o que causou receio de que os leitos da unidade fossem ocupados exclusivamente pelos pacientes venezuelanos. O que não chegou a acontecer, mas como a saúde já estava um caos, o decreto veio para tentar dar condições do governo agir de maneira rápida para melhorar a situação.

 

 

Não funcionou

Mas, o decreto não funcionou. Mesmo com a permissão para a realização de compras prioritárias em caráter emergencial, Denarium se viu atolado em inúmeras denúncias evidenciando o total descontrole sobre a situação da saúde pública. Até um paciente vivo foi dado como morto nesse período e isso obrigou o próprio chefe do Executivo a conduzir encontros e reuniões com muitos puxões de orelha distribuídos entre toda a equipe da Sesau. Além disso, Denarium aproveitou o mote para prorrogar o decreto e só no mês passado conseguiu efetivamente fazer com que alguns materiais e medicamentos chegassem até as unidades hospitalares. Enquanto isso, muita gente infelizmente, morreu aguardando pelo atendimento de qualidade que deveria ser custeado com os impostos pagos pelo cidadão brasileiro.

 

 

CPI

A Assembleia Legislativa de Roraima retomou neste terça-feira (13), os trabalhos da Casa. Numa sessão com a presença maciça dos deputados, o presidente Jalser Renier (SD) fez questão de apresentar um balanço do trabalho realizado no primeiro semestre, destacando especialmente, as ações de cunho social que transformaram a ALE de Roraima em uma referencia para o restante do país. Mas, a população ainda sentiu falta de uma fala sobre a CPI da Saúde. É nitído que a área enfrenta problemas, seja de gestão ou de desvio público, e neste momento é dever dos deputados se colocarem ao lado da população e como seus legítimos representantes, acompanharem com atenção especial como a saúde pública está sendo gerida. A expectativa pela implantação da CPI da Saúde continua.

 

 

Mérito

Independente da opinião que o cidadão tenha em relação ao trabalho dos deputados estaduais é inegável o mérito pelo trabalho social que a ALE está desenvolvimento. No conjunto dessas ações sociais entram o trabalho da Escola do Legislativo, com a oferta de cursos gratuitos; do Chame, com atendimento e apoio psicossocial e jurídico às mulheres vítimas de violência; o Procon que desenvolve ações educativas de orientação a empresários e consumidores; além do Abrindo Caminhos que leva atividades culturais e esportivas para crianças em vários municípios. Considerando que o Governo do Estado deixou de oferecer qualquer tipo de atendimento neste sentido, é a ALE que tem cumprido esse papel e contribuído para que muitos jovens se afastem da criminalidade e das drogas, especialmente, no interior do Estado.

 

 

Unido pelos galos

Roraima tem enfrentado graves problemas seja na área da saúde, da educação e da segurança. Conforme as denúncias que chegam à Coluna, o governo continua empregado o racionamento de gasolina nas viaturas da Polícia Militar e sem o devido patrulhamento, o caos é eminente. É por esse motivo que se faz tanta questão da permanência da Força Nacional em Roraima, ainda que o contingente seja pequeno, é o que tem salvo o cidadão com viaturas fazendo o patrulhamento de ruas e avenidas. Apesar de todas as necessidades de Roraima, tem senador que anda com a cabeça em Nibiru como Temário Mota (PROS), que teve o disparate de elencar como uma das prioridades do seu mandato a defesa incondicional dos galos de briga.

 

 

Projeto

Nesta terça-feira (13), enquanto a população de Roraima recebia com tristeza a notícia de mais um cruel assassinato, Telmário usava as redes sociais para divulgar sua posição em relação ao projeto de lei que tramita no Congresso Federal. Em vídeo que o próprio senador fez questão de divulgar nos grupos de whats, ele afirma que está na hora de tomar uma decisão sobre as rinhas de galo: ou proíbe ou libera de vez. É lamentável que enquanto servidores que atuaram no ex-território aguardam apoio para o enquadramento e que pessoas estejam morrendo pela falta de segurança em Roraima, o senador que é muito bem pago para representar o povo, esteja tão preocupado com as rinhas de galo.

 

 

Interesse

Mas o que motiva o interesse tão forte de Telmário neste tema? Fontes da Coluna afirmam que o senador tem um dos maiores planteis de galos combatentes do Brasil, de dar inveja a muitos criadores profissionais. No seu sítio, Telmário cuidaria de animais que chegam a custar no mercado negro do esporte, mais de R$ 20 mil. Se a rinha de galo for liberada, Roraima não vai ganhar absolutamente nada com isso, bem diferente do senador que poderá transitar livremente pelo território nacional com os seus invejados animais, fazendo dinheiro nas apostas que são comuns nessa prática. Só isso justifica tanto interesse mesmo.

 


SEE ALSO ...