Roraima em Alerta

Denarium governa para seus amigos ricos e deixa o povo na míngua

180919 RR Alerta


Só pros grandes

Há algum tempo, o governo de Antônio Denarium (PSL) tem sido classificado sob esta ótica de que ele só trabalha para os grandes. Tem sido essa impressão quando se trata das ações de governo para o desenvolvimento produtivo, são sempre condições para os grandes investidores, com discurso atrativo sobre a infraestrutura, desburocratização, regularização fundiária, enquanto que o pequeno produtor segue sem conseguir nem ao menos escoar sua produção já que o Estado ainda não cumpriu nem o compromisso de recuperar pontes e estradas.

 

Mais pobre

E por mais absurdo que possa parecer, um Estado tão rico como Roraima tem se tornado também um dos mais pobres do país, com mais de 35% da sua população vivendo com menos de R$ 406 por mês, ou seja, abaixo da linha da pobreza. Mesmo com esses dados nas mãos, a opção de Denarium como gestor estadual foi cancelar a execução do programa Crédito do Povo. Por quase um ano, ele negligenciou a existência do Programa, ignorando completamente a previsão definida na Lei Orçamentaria Anual e como meta prioritária do Plano Plurianual, deixando de injetar na economia local, o equivalente a R$ 59 milhões se considerado o valor do benefícios em R$ 120, ou R$88 milhões se considerarmos os últimos pagamentos feitos pelo governo anterior e as promessas de campanha de Denarium.

 

Burocracia

Aliás, ele cancelou até a existência do programa por ato administrativo com registro no Diário Oficial. Implica dizer que para implantar sua nova proposta de trabalho, que ainda não tem nem data definida, será preciso recomeçar do zero e isso inclui criação de uma lei específica sobre o novo programa, aprovação na Assembleia Legislativa, previsão de despesas no orçamento, cadastramento e seleção de novos beneficiários e por aí vai. Um trabalho que leva tempo e que pode consumir mais um ano de espera das famílias mais pobres de Roraima.

 

Fazendo as contas

O Estado caminha para um ano sem pagar o Crédito do Povo, para a implantação do novo programa deve-se levar mais um ano em trâmites burocráticos, o que nas melhores das perspectivas, indica que o pagamento pode vir a cair na conta das famílias que precisam, apenas em 2020. Isso é basicamente um ano antes do próximo pleito eleitoral para Governo. Assim, seria o mote ideal para que Denarium, caso resista até o fim do seu mandato, pleitear uma reeleição. Basta saber se o povo vai engolir essa estratégia descarada e irresponsável.

 

Assinaturas

Começou a aparecer nos grupos de whats, um movimento pró-impeachment do governador Antonio Denarium e entre os motivos expostos está o cancelamento do Crédito do Povo. A população se sentiu enganada com a propaganda feita por Denarium sobre o novo programa e a parcela maior no valor de R$ 180. Considerando que havia previsão de despesas, muitos pensaram que ele faria a mudança do nome e iniciaria o pagamento imediatamente, até porque a Setrabes informou em várias ocasiões que estava procedendo a análise dos cadastros existentes, assim em nove meses de gestão, espera-se que isso já tenha sido concluído e não haveria mais nenhum impedimento para que Denarium cumprisse sua promessa de campanha. Porém, nada disso vai acontecer tão cedo e de certo mesmo, o que as família têm é que não vão receber este ano e pelo visto, nem no ano que vem.

 

Exclusivo

O deputado federal e presidente do Solidariedade em Roraima (SD), Otaci Nascimento, conversou com o Roraima em Tempo de maneira rápida e precisa. Questionado sobre a ida do vice-governador Frutuoso Lins para a sigla, ele respondeu que a visão do crescimento do partido como um todo precisa seguir algumas virtudes. "Precisamos fazer isso [crescer] com pessoas capacitadas, profissionais, e o doutor Frutuoso apresenta e principalmente se encaixa em todas essas expectativas e possa, assim, fazer com que o Solidariedade se torne um partido maior no nosso Estado".

 

Filiação

O vice-governador confirmou, no início do mês, a filiação no Solidariedade. A cerimônia está prevista para a próxima quinta-feira (19), em Boa Vista. Questionado, à época, sobre o motivo que o levou a escolher o partido, o político justificou que "foi o apoio na participação da política local". No dia 27 de agosto, Lins rompeu com Denarium devido ao não cumprimento das promessas de campanha. Ele disse ainda que o agronegócio tem sido o maior foco na gestão do pesselista, o que interfere na prestação de serviços essenciais como saúde, educação e segurança.

 

Rota de colisão

Em mais uma de suas viagens internacionais, Chico Rodrigues desembarcou na China no fim de semana para avaliar a tecnologia do país. Contudo, a ida dele, um dos vice-líderes de Bolsonaro no Senado Federal, entra em rota de colisão com o discurso do próprio presidente. Durante a campanha eleitoral, Bolsonaro defendeu uma blindagem em relação à compra de produtos chineses. A ida foi amplamente criticada pelos próprios eleitores e parlamentares. Chico mostra sua volatilidade e, mais do que isso, o não cumprimento de promessas feitas na corrida pela vaga no Senado. Passaporte carimbado tem sido prioridade dele e nepotismo cruzado. Que lástima!

 

Indecisão

A Assembleia ainda não respondeu se vai recorrer ou não da decisão judicial que derrubou o decreto legislativo que afastava o procurador-geral de Contas, Diogo Novaes Fortes. A Justiça entendeu que houve irregularidades na tramitação dos ofícios na Casa e acatou o mandado de segurança de Novaes na semana passada. Fontes da Coluna dão conta, no entanto, que as alegações de Diogo podem ser legais, mas esbarrariam na moralidade. Explica-se: ele não participou de nenhuma reunião do colegiado e chegou a despachar coisas de qualquer outro lugar, menos no Ministério Público de Contas. A fonte garante que documentos eram levados do MPC para fora do prédio para ser apreciado por ele. Quem tem razão nessa história?


SEE ALSO ...