Roraima em Alerta

Opinião: o conturbado relacionamento de Antonio Denarium com os servidores públicos

Desde que assumiu a gestão, Denarium foca em retirar benefícios dos servidores, alegando inconstitucionalidade nas leis aprovadas


CORTES

Por todos os lados o governador de Roraima, Antonio Denarium, tenta diminuir os gastos com pessoal, cortando benefícios garantidos. Agora, a mira foi nos técnicos em radiologia de Roraima. Eles tiveram o adicional de insalubridade cortado pela metade. Se antes recebiam 40%, passaram a ser contemplados com apenas 20%. A redução causou indignação nos servidores, que já anunciaram uma paralisação de advertência para a próxima segunda-feira (7), como forma de pressionar o governo a voltar atrás na decisão. Na última quarta-feira (2), o sindicato dos profissionais disse que teria uma reunião com a secretária de saúde, Cecília Lorezom, mas, ao que tudo indica, não surtiu efeito, e a manifestação está mantida.

SEMPRE SERVIDORES

Desde que assumiu a gestão, Denarium foca em retirar benefícios dos servidores, alegando inconstitucionalidade nas leis aprovadas. Por que não os comissionados? Por que não levar adiante a reforma administrativa prometida durante campanha eleitoral? Vale lembrar que somente no Supremo Tribunal Federal (STF) foram cinco ações protocoladas. Questionada pelo Jornal, a Secretaria de Saúde fez questão de dizer que a diminuição no percentual de insalubridade pago aos servidores recebeu parecer favorável da Procuradoria-Geral do Estado (PGE). Se for para atender aos anseios do govenador, é óbvio que o setor vai emitir parecer favorável. Aliás, foi a mesma procuradoria que emitiu parecer favorável para a doação do terreno pertencente ao Estado.

IMPOPULAR

O governador vem acumulando um punhado de impopularidade por onde passa. Até mesmo os comissionados não concordam com algumas decisões. É difícil defender um governo que, constantemente, entra em contradição. Para sustentar esta hipótese, a Coluna frisa a criação de mais 32 cargos em comissão na Secretaria de Infraestrutura. Por quê? O governo fala em gerar empregos devido à grande quantidade de obras no Estado. Enfim... Por mais ou por menos, o Estado continua com altas dívidas e problemas sociais gravíssimos para ser solucionados. Contudo, segundo fontes da Roraima Alerta, Denarium, desde a campanha, tem uma preocupação muito grande com as redes sociais e as repercussões que elas causam na popularidade dele. Pelo visto, ele não deve estar feliz.

SEMPRE

A Companhia de Águas e Esgotos de Roraima (Caer) está conseguindo um objetivo: tornar normal a falta de água nos bairros e municípios do estado. Diariamente há lugares para ficar desabastecidos. Ontem, por exemplo, foi a vez de Mucajaí. Antes, São João da Baliza. Antes, Caracaraí e assim por diante. Taxas altíssimas de esgotos, rede onde muitas casas não estão interligadas, cargos à beça sobre comando de políticos, milhões em dívidas. Mecias, conforme fontes, detém o controle da estatal. Parentes vivem por lá, bem como amigos próximos. A Companhia deveria explicar esses diários desabastecimentos, tendo em vista que as contas chegam, são pagas (outras não), mas o serviço continua péssimo. Graves denúncias chegaram à redação. Algumas estão sendo apuradas. Infelizmente, o cenário é desastroso.  

MORREU

O caso do procurador-geral do Ministério Público de Contas caiu no esquecimento. Sob sigilo absoluto da Justiça de Roraima, a última decisão foi para que Diogo Novaes Fortes voltasse para o cargo. Ele está sob os holofotes das suspeitas, desde quando supostas nomeações fantasmas passaram a ser o assunto comentando, envolvendo o órgão. Ele recorreu e conseguiu manter-se. Até quando? A denúncia que levou ao breve afastamento de Diogo dá conta de que as indicações das pessoas para ocuparem os cargos na instituição foram de Mecias de Jesus. Mais uma vez o político mostra-se detentor de grandes fatias de cargos nos órgãos governamentais. Não é à toa seus 30 anos de mandatos marcados pela corrupção e processos na Justiça.

VOLTOU

Em meio à CPI da Saúde, o governo anunciou que o Hospital de Rorainópolis retomou as cirurgias eletivas. A meta é realizar seis procedimentos por dia para diminuir a fila de espera que chega a quase 500 pessoas. As primeiras foram feitas na última quarta-feira. Para normalizar a fila de espera, a direção irá montar duas equipes para realização das cirurgias, nos períodos da manhã e tarde. A intenção é realizar 60 procedimentos por mês. A iniciativa não deixa de ser obrigação do governo. Mesmo sob o discurso de que na gestão passada estava tudo paralisado, Denarium se despiu dessa prerrogativa ao assumir, ao dizer que se tratava de uma nova era para o Estado. É preciso, sim, tirar o agronegócio da balança que está tombada para apenas um lado e focar em outras áreas. A impressão que se tem é que depois do puxão de orelha de Frutuoso Lins, o governador se despertou para a vida.

SINDICATOS

Insatisfeitos com projetos que podem mudar a aposentadoria dos servidores, sindicatos de diversas categorias exigem uma audiência pública, para que sejam discutidas as medidas propostas pelo governo Denarium. A preocupação é que os projetos tramitem no regime de urgência, como sempre tem solicitado o chefe do Executivo, já que isso não possibilitaria uma discussão mais aprofundada sobre o assunto. Os pescadores, por exemplo, pediram esse debate amplo e conseguiram. Será que os deputados não vão levar em consideração o pedido dos servidores? A vida de milhares de pessoas está em jogo a partir desses projetos. O governo tem proposto grandes mudanças e a Assembleia tem atendido a parte delas. Jorge Everton conseguiu rebater uma delas, a demissão em massa dos servidores da Codesaima. Haverá algum deputado pelos servidores agora? Vamos aguardar!


SEE ALSO ...