Roraima em Alerta

Prédios da Saúde seguem inacabados e deputado insiste em construir mais um

230719 RR Alerta


Suspensas

A reclamação vem agora das empresa que integram o setor de Base Florestal do Estado, que buscam a sustentabilidade com Manejos Florestais. Por um equívoco de procedimento, a Fundação Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Femarh) orientou a paralisação dos processos que possuem documentos de posse, os que são emitidos antes da entrega do Título Definitivo mas atestam o direito de usufruto da propriedade. Na prática, isso representa mais um grave prejuízo para o setor produtivo, afetando desde a agricultura, pecuária e mais ainda o setor madeireiro. Foi do Presidente do Sindimadeiras que saiu uma nota repudiando a decisão que, ao que tudo indica, trata-se de um erro de procedimento induzido por um certo Diretor que desconhece a integridade da legislação, induzindo a presidência ao erro, especialmente a lei 986/2015 que trata do Manejo Florestal Sustentável em Área de Posse, e o impacto que essa decisão pode causar à economia local. A nota também é um apelo para o que o Governo do Estado reveja a decisão.

 

Prejuízo

Essa decisão tem impactos negativos para a economia do Estado, especialmente para os pequenos municípios do Sul de Roraima, onde está concentrado o polo madeireiro. São mais de 2 mil empregos gerados na região pelas empresas que se mantém por cumprir à risca a legislação ambiental e que vislumbram novas possibilidades de mercado viabilizadas até pelo leilão de eficiência energética feito para suprir a necessidade de Roraima. No leilão, três lotes de geração de energia ficarão sob responsabilidade de empresas que irão produzir a partir da biomassa de madeira. Significa que esse tipo de geração depende dos resíduos das empresas madeireiras e algumas do Estado já estão trabalhando nisso produzindo os Briquetes. Portanto, sem o documento de posse, a atividade fica inviabilizada, vai gerar prejuízos incalculáveis para o setor, demissões e ainda pode comprometer o fornecimento da biomassa para a geração de energia. É uma cadeia de situações negativas e que pode ser evitada.

Sustentabilidade

Há pelo menos dois anos, o setor madeireiro de Roraima se tornou alvo de várias ações de fiscalização. É certo que alguns negócios chegaram a atuar de maneira irregular e por isso, foram devidamente penalizados. Porém há uma grande parte das empresas que atua de maneira séria, compromissada e que reconhece a necessidade de buscar alternativas de conservação ambiental, visto que pensam no futuro, na continuidade do próprio negócio. É com essa visão que o Sindimadeiras vem atuando no cenário local, estimulando que as Madeireiras busquem a sustentabilidade. O Sindicato defende o Manejo Florestal sustentável, fazendo a retirada seletiva de árvores que estão no seu ciclo final de vida, prática que é vital para a continuidade desse tipo de negócio e, também o Selo Verde que além de agregar valores para comercializar seus produtos aos consumidores internacionais e comprova a seriedade e legalidade da Madeira. Por ser um dos Estados mais novos da federação, Roraima pouco tem Títulos definitos, Restam as posses. Sem o documento de posse, a atividade ficará inviabilizada e Roraima perderá com os prejuízos causados não apenas ao setor madeireiro, mas basicamente, a todo o setor produtivo de Roraima.

 

 

Rompeu

Agora parece que é oficial. O deputado federal Antônio Nicoletti (PSL) teria confirmado sua saída da base de apoio do Governo. O motivo: a demora para atender ao pleito dos concursados da Polícia Militar. Na semana passada, Nicoletti chegou a dizer que a equipe de Governo era muito fraca e que mesmo com recursos, não conseguiu concluir a compra de medicamentos e materiais para o Hospital Geral de Roraima (HGR). Ali, já havia o indício de descontentamento com a administração de Antonio Denarium, com o qual Nicoletti dividiu palanque e divide também o partido. 

 

 

 

Afastamento

A decisão de Nicoletti reflete o que muitos dos apoiadores de Denarium estão fazendo. A maioria optou por manter um certo distanciamento do governador que, apesar de repetir enfadonhamente que Roraima está "cada dia melhor" não consegue organizar isso na prática. A saúde é problema a ponto de estar na eminência de uma intervenção Federal, o mesmo que aconteceu com o Sistema Penitenciário do Estado e foi o que ajudou a fazer com que as coisas a se ajustarem um pouco. De resto, nem o vice Frutuoso Lins (PTC) faz questão de aparecer colado no governador, ele próprio já teve sua crise com Denarium que segue caindo no conceito da população.

 

 

 

Ganhou? 

Enquanto perdeu o apoio de Nicoletti, Denarium ganhou como aliado o senador Telmário Mota (Pros). Para bons observadores da política local, a troca não é considerada vantajosa em nenhum aspecto. Enquanto Nicoletti ainda mantém boa relação com seus eleitores e demais parlamentares, Telmário é mal visto em todos os setores de modo geral, acumulando no seu currículo denúncia de agressão contra mulher, envolvimento em torneios de rinha de galo e uma atuação parlamentar digna de um semianalfabeto sem noção nenhuma. É tanto que seu único feito reconhecido nacionalmente é o clássico discurso no plenário do Senado onde ele alerta do risco de colisão entre a Terra e o planeta Nibiru. Um clássico para quem gosta de piadas e ficção científica. 

 

 

 

Candidato

Apesar dos rumores, a postura de Nicoletti ainda não pode ser vista como algo definitivo. O deputado federal estaria sendo cotado como pré-candidato à Prefeitura de Boa Vista nas próximas eleições, em 2020. Certo é que Nicoletti ou qualquer outro candidato precisará construir uma imagem de quem é capaz de superar o trabalho feito por Teresa Surita (MDB) nos últimos anos. É inegável a transformação de Boa Vista e quem for assumir o município terá  como responsabilizar convencer  as pessoas de que possue capacidade e habilidade para manter serviços em funcionamento e a qualidade mínima de vida da população, mesmo enfrentando os efeitos da crise migratória. 

 

 

 

Paralisada

O deputado federal Hiran Gonçalves (PP) fez questão de se tornar o pai das obras do Centro de Radioterapia e agora do Hospital do Amor, ambas unidades para o tratamento de câncer. A questão é que o roraimense não aguenta mais ver obras de prédios destinadas a saúde inacabadas. O Hospital da Clínicas nunca funcionou direito e pelo tamanho do prédio, teria condições de abrigar esses doi serviços especializados com muita tranquilidade. O anexo do HGR nunca foi concluído e a obra segue previsão. O próprio Centro de Radiotearapia, tão alardeando pelo deputado, já está com as obras comprometidas e paralisada. É uma vergonha, mas a justificativa  foi um erro de projeto.

 

 

Mais um? 

Diante deste cenário compete perguntar por que insistir na construção de mais um prédio? Por que não destinar esse recurso de R$ 30 milhões para aquisição de materiais e medicamentos tão urgentes no HGR? Por que não usar esse dinheiro para concluir os prédios inacabados? A insistência de Hiran vem sendo classificada por alguns como puramente interesse politiqueiro. O Hospital do Amor seria uma plataforma para tentar emplacar a esposa Gerlane Bacarin como candidata à Prefeitura de Boa Vista. Porém, o que garante que o destino de mais esse prédio será diferente dos citados anteriormente? E mesmo que se conclua a obra do Hospital do Amor, é bem difícil que o Estado tenha condições de manter esse serviço que custa muito mais caro que o HGR. Era melhor ter deixado os R$ 30 milhões para as obras de asfalto e drenagem mesmo.


SEE ALSO ...