Últimas Notícias

Assassino de policial militar é condenado a 36 anos de prisão pelo Tribunal do Júri Popular

Policial militar Arnaldo Alves de Sena foi assassinado há três anos enquanto dormia na varanda de sua casa

Créditos: Nonato Sousa
Edivan Silva da Silva, apelidado de ?Bob?, foi condenado por homicídio quadruplamente qualificado e por integrar organização criminosa - Foto: Divulgação

O Tribunal do Júri Popular, da 1ª Vara Criminal de Boa Vista, condenou na quarta-feira (6) o réu Edivan Silva da Silva, apelidado de "Bob", a 36 anos de prisão. Ele é um dos três acusados de envolvimento no assassinato do policial militar Arnaldo Alves de Sena, que ocorreu há três anos.

Os outros dois criminosos, Admir Tiago Figueira da Silva e Adriano Gomes de Souza, apelidado de "Bandido", morreram no mesmo dia da morte do PM, ao reagirem à abordagem policial. Já Edvan 'Bob' conseguiu fugir e foi capturado alguns dias depois, e desde então aguardava julgamento do processo.

Edvan foi denunciado pelo Ministério Público Estadual por homicídio quadruplamente qualificado, "motivo torpe, meio insidioso, recurso que dificultou a defesa da vítima e homicídio cometido contra agente da segurança pública". Também por integrar organização criminosa.

De acordo com informações encaminhadas nesta quinta-feira (7), o réu foi condenado na totalidade da denúncia acolhida pela Justiça, e pegou 30 anos de prisão pelo homicídio e suas qualificadoras e mais seis anos pelo envolvimento na organização criminosa. Ao final da leitura da sentença, ele foi levado de volta para o presídio onde deve cumprir a pena inicialmente em regime fechado.

CASO

Conforme a denúncia do PMERR, o policial militar Arnaldo Sena foi assassinado com tiros enquanto dormia em uma rede na varanda de sua casa, no bairro Santa Teresa, zona Oeste de Boa Vista. O crime ocorreu na tarde do dia 15 de novembro de 2016.

Ainda de acordo com a denúncia, os criminosos Edivan, Admir e Adriano premeditaram o crime e agiram por ordem de líderes da facção criminosa, a qual eles pertencem. "Edivan Silva e Adriano foram até a residência da vítima em uma bicicleta roubada, enquanto Admir ficou nas proximidades aguardando os comparsas em um carro. Após disparar dois tiros contra a vítima, os dois foram ao encontro de Admir e o trio fugiu de carro", detalhou o MPERR.

Posteriormente, equipes de policiais militares localizaram o carro com os suspeitos numa Vicinal no município do Cantá. Eles abriram fogo (atiraram) contra os policiais e Admir e Adriano foram baleados e acabaram morrendo. 'Bob' conseguiu fugir para dentro da mata e poucos dias depois foi capturado.

A acusação foi sustentada pelo Promotor de Justiça do Tribunal do Júri, Diego Barroso Oquendo. "A sociedade roraimense, mais uma vez, consciente da sua responsabilidade, ao condenar o réu demonstrou que não compactua com a banalização da vida e com a prática de crimes", destacou.

CRIMES CONTRA AGENTES DE SEGURANÇA

O MPERR informou que este é o segundo caso este ano em que réus são condenados por, entre outros crimes, atentar contra a vida de agentes da segurança pública. Em abril deste ano, o Tribunal do Júri também condenou José Galdino da Silva, o "Neguinho", a 12 anos e 10 meses de prisão em regime fechado, por tentativa de homicídio triplamente qualificado contra o guarda municipal A.G.S.J.

A tentativa de homicídio ocorreu enquanto a vítima cumpria escala de serviço, no posto da Guarda Municipal, localizado na praça Mané Garrincha, no bairro Tancredo Neves.

SEE ALSO ...