Últimas Notícias

Câmara de Boa Vista proíbe entrada da população no dia da votação da LOA 2021

Câmara informou que a proibição da entrada ocorre devido à pandemia de coronavírus, e uma das medidas é o distanciamento social

Créditos: Da Redação
Portão principal da Casa Legislativa está fechado e guardas municipais fazem a segurança do local - Arquivo pessoal

A votação da Lei Orçamentária Anual (LOA) 2021 na Câmara de Boa Vista é marcada por protesto, fechamento do portão da Casa e ausência de vereadores. O projeto, que prevê R$ 1,4 bilhão, deve ser apreciado nesta segunda-feira (18), em sessão extraordinária. 

Mais de 100 pessoas que foram à Casa Legislativa para acompanhar a votação da Lei Orçamentária 2021 foram impedidas de entrar. O portão principal da Casa está fechado e guardas municipais fazem a segurança do local. Com o impedimento, a população iniciou um protesto com cartazes e faixas contra as alterações à proposta.

Uma das manifestantes, Débora Fonseca, moradora do bairro Pedra Pintada, relatou a preocupação com os serviços da Prefeitura de Boa Vista que podem ser afetados pelas mudanças orçamentárias.

"Eu sou de um dos bairros que mais vai sofrer com essa mudança. O pouco que nós temos vai ser retirado, o gari não vai ter salário, a limpeza não vai ser garantida, a Unidade Básica de Saúde [UBS] que seria construída não vai para lá e sem orçamento a gente fica desesperado", relatou a mulher.

Ela também ressaltou sobre como a decisão pode prejudicar a capital e mostrou indignação com a decisão dos vereadores. "Tirando todos esses recursos, vai prejudicar muito a nossa cidade. É muita maldade os vereadores quererem que o município se destrua dessa forma", reforçou.

O painel da Casa mostra que estão presentes Adnan Lima, Dr. Ilderson, Albuquerque, Gabriel Mota, Genilson Costa, Gildean Gari, Guarda Jullyerre Pablo, Ítalo Otávio, Juliana Garcia, Júlio Medeiros, Kleber Siqueira, Leonel Oliveira, Manoel Neves, Melquisedek, Nilson Bispo, Regiane Mattos, Ruan Kenobby, Sandro Baré, Thiago Fogaça, Vavá do Thiangué. Não estão presentes Aline Rezende, Idázio da Pergil e Tuti Lopes. A sessão inciou às 10h.

Painel da Casa mostra que apenas três vereadores não estão presentes - Foto: Yara Walker/Roraima em Tempo

RELEMBRE

O ano legislativo encerrou em 31 de dezembro sem a votação do projeto. Foram cinco convocações do ex-presidente Mauricélio Fernandes (MDB) para apreciar a proposta, mas os vereadores boicotaram as sessões.

No início deste ano, a prefeitura alertou para paralisação de serviços essenciais e cortes em salários. As reivindicações da população também vão contra a retirada de R$ 10 milhões do orçamento, e que serão destinados para os gabinetes de vereadores. A decisão afeta serviços como manutenção de praças e limpeza da cidade.

À reportagem, a Câmara informou que a proibição da entrada ocorre devido à pandemia de coronavírus, e uma das medidas é o distanciamento social.