Últimas Notícias

Obras de reforma e ampliação da Cadeia Pública são iniciadas; 'mais de R$ 8 milhões'

Segundo a Secretaria Estadual de Infraestrutura de Roraima (Seinf), obra deve ser entregue em janeiro de 2020


Presídio terá capacidade para receber aproximadamente 500 presos - Divulgação/Seinf

Foram iniciadas as obras de reforma e ampliação da Cadeia Pública Masculina de Boa Vista, localizada no bairro São Vicente, zona Sul da capital. A informação foi anunciada em uma publicação postada na última semana, em uma rede social, pela Secretaria Estadual de Infraestrutura de Roraima (Seinf).

Conforme divulgado pela pasta, os trabalhos realizados em um dos principais presídios do Estado estão 'em pleno andamento'. A previsão, conforme consta na postagem, é de que os trabalhos sejam concluídos até janeiro de 2020. Além das informações sobre a revitalização da estrutura, a secretaria também postou fotos da obra.

Para a realização da reforma e ampliação da Cadeia Pública, o governo de Roraima teve de gastar dos cofres públicos mais de R$ 8 milhões, segundo a Seinf. Após a conclusão, a nova estrutura terá capacidade de abrigar aproximadamente 500 presos, o que ajudará a desafogar os demais presídios de Roraima, destacou a publicação.

O Roraima em Tempo solicitou do governo de Roraima mais informações e detalhes a cerca das melhorias que estão sendo feitas na Cadeia Pública, mas não houve posicionamento do Executivo até o fechamento desta matéria.

TRANSFERÊNCIA

Na madrugada do dia 12 de julho de 2019, 511 presos da Cadeia Pública de Boa Vista foram transferidos para a Penitenciária Agrícola do Monte Cristo (PAMC), a maior do Estado, localizada na zona Rural de Boa Vista.

Conforme informações apuradas pelo Roraima em Tempo, o horário foi escolhido estrategicamente para evitar o movimento de veículos até as dependências da PAMC. Os reeducandos foram levados de ônibus.

À Época, participaram do trabalho um efetivo de pelo menos 180 agentes da Força de Intervenção Penitenciária (FTIP), além de 30 militares do Batalhão de Operações Especiais Policiais (BOPE) e 10 Guardas Civis.

Após a transferência, familiares dos detentos protestaram em frente a Pamc e em outros pontos da cidade para pedir o retorno imediato dos presos a Cadeia Pública. Eles apegaram que os reeducandos poderiam ser mortos em uma possível rebelião.